330x500 placeholder

About the Author

Higor S. Monteiro is currently finishing his master’s degree in physics while working as a data scientist at the Epidemiological Surveillance Department of Fortaleza. Born and raised in Fortaleza, Brazil, Higor’s research focuses on statistical and mathematical modeling of infectious diseases to improve public health policies for his hometown.

Sobre o autor

Higor S. Monteiro atualmente está concluindo seu mestrado em física enquanto trabalha como cientista de dados para a Célula de Vigilância Epidemiológica de Fortaleza. Nascido e criado em Fortaleza, Brasil, a pesquisa de Higor é focada em modelagem matemática e estatística de doenças infecciosas para a melhoria das políticas de saúde pública de sua cidade.

Health and Community in the Alencarian Land

The strength of collaboration for public health in Fortaleza

by | Mar 17, 2022

I don’t recall exactly when I began to appreciate the communal life that surrounded me as I grew up in my home neighborhood Vila União in Brazil. Before organized violence claimed its territory over neighborhoods of Fortaleza, as kids we grew up running in the streets, playing soccer in the sand fields, and exploring the area just outside our houses. Not long ago, however, the sense of a “friendly’’ neighborhood began to disappear. While young people today become sensitive to this changing environment, it is still clear that the bustling and enduring spirit of the Alencarian urban life remains as strong as I’ve always remembered it. When the Harvard’s Collaborative Field Course on Public Health came to Fortaleza this past January, it was my privilege as an Alencarino to participate.

The Portuguese term Alencarino refers to a person born in the city of Fortaleza, the home of romantic author José de Alencar who wrote Iracema, an allegory for the birth of the state of Ceará and the beginning of the colonization process in Brazil. In the city of the sun, as Fortaleza is informally known, Alencarinos will not hesitate to mention what the city has to offer, from the harmony between the sand and sky of the beaches covering the city’s north to the colorful neoclassical architecture spread throughout downtown to the traditional forró music and the emblematic cachaça, an old companion of the typical Brazilian drink caipirinha.

From such a description, Fortaleza seems blessed across all its corners with such tropical richness. Yet, this portrayal fails to capture the realities of a highly unequal city, truths that become transparent in the Alencarian daily life. Fortaleza is made up of several inner cities full of different experiences and riveting stories. Not coincidentally, this is not the first time that Harvard University School of Public Health has come to Fortaleza with the ambitious goal of looking into each one of these singular realities and exploring its challenges.

Led by professor Marcia C. Castro and DRCLAS together with Brazilian researchers and local government representatives, the Collaborative Field Course on Public Health brought together Brazilians and Harvard students to the Alencarian land in 2022. The course became a source for exchange of knowledge and stories, a space for debates between different perspectives on heterogeneous realities and a close look at vulnerable populations accustomed to being marginalized from the main stories of the country and world. As one of the Brazilian students, I could feel the impact of this perspective since the first day of the course.

Despite my previous research experiences and my current job at the Epidemiological Surveillance Department of the city, I could not avoid feeling anxious during my course application.  I feared that my background as a physicist would make me too detached from the topics of the course. None of that, fortunately, was an obstacle for my application. However, the pandemic and increasing number of new cases due to Omicron in the United  States made the invitation to participate in the course a bittersweet beginning.

A week before the start of the course, we received the news that the course had to adopt a remote model for everyone’s safety. I felt like I had just lost a crucial opportunity, considering how eager I was to immerse myself in the public health of Fortaleza. I would later realize that I had nothing to worry about.

The course offered three weeks of full-time immersion, starting on the first Monday of 2022. The first week showcased a series of lectures. Each of the topics delved into the local and national scenes, providing rich context across many subjects. Starting with the Brazilian Universal Health System (SUS), we explored many issues, each one with a distinct presence in the city– from arboviruses, HIV, and syphilis to violence, mental health, child development, and even science communication and misinformation.

The speakers stressed the importance of local communities to properly understand their problems in order to effectively solve them. Among them, the talk given by Professor Adalberto Barreto has stayed with me until this very day. Barreto is a psychiatrist who leads a project called Quatro Varas, “four sticks”. Named as a way to remember the strength in unity, the project is located in the favela of Pirambu, a community by the sea in the northwest area of the city. “Just as the community has its problems, it also has its solutions.”, said Barreto as he introduced his internationally recognized method known as Integrative Community Therapy.

Pirambu is a neighborhood of Fortaleza and it is considered as one of the largest favelas of Brazil, according to the last census in 2010. Credit: Paulo Jefferson P. Barreto.

Designed to help with the emotional and psychological disorders of vulnerable communities while reducing unneeded and expensive drug-based medical treatments, the method has shown high success in comforting families distressed by issues all too common in their lives—-violence, drug addiction, poverty and disease. All this is done by using the strength of the collective. Mothers, fathers, elderly and any member of the community console one another through common experiences. As someone born and raised in Fortaleza, I was appalled by how little I knew of this project. The more compelling stories I heard from different locations all over the city, the more it felt like rediscovering the city where I grew up in.

The project Quatro Varas is composed of several activities as therapy for the community of Pirambu. Credit: Official instagram page – “Mismec IV varas”./

Barreto’s talk provided one of these moments of rediscovery during the course, bringing me closer to the city I have been living in. As a physics student with training in concepts that are universal and usually stripped of any sense of local identity, a week of transformative learning gave me a sense of the challenging uniqueness of the local situation. If this feeling of rediscovery was possible even remotely, I wonder the power it could have in person. But there was more to come. This time the challenge was to take the problems we had learned about into our own hands. During the second and third weeks of the course, all students were assigned to different groups, and each group was responsible for addressing one specific public health topic by developing an intervention recommendation for the city.

This assignment demanded not only a diversified set of skills, but also initiative from every member of the group. Focusing on the topic of arboviruses in the city of Fortaleza, we explored the complex goal of mosquito control, specifically the Aedes Aegypti genus. Arboviral diseases, like dengue, chikungunya and Zika, are part of a group of diseases denominated Neglected Tropical Diseases. As such, they cause an increasing burden over vulnerable communities facing inadequate access to water supply, lack of proper sanitation and poor housing conditions. Even though I was not surprised to observe that a major part of the city’s population lives in impoverished conditions, I felt pride in seeing the strengths the town has in facing such challenges.

Fortaleza’s vector control program is composed of hundreds of agents who are responsible for routine visits to households and potential breeding sites in the city. They are also responsible for the implementation of control interventions. Credit: Secretaria Municipal da Saúde de Fortaleza (SMS).

During a two-hour long meeting with Carlos Alberto, the head of the vector control program in Fortaleza, we learned about the main steps we could take to handle such stubborn mosquitoes. By hearing the voices of people engaged in the field, like Carlinhos’ and his team of vector control agents, and from people who have struggled for years to effectively overcome such issues, we learned that we were not there to naively offer an all-encompassing definitive solution. In most cases, these problems demand more sober prospects, allowing finding and filling gaps in local movements, pointing out flaws and proposing political alternatives to not extend the burden of suffering families. By the end of the course, we had a reaffirmation of this feeling as we watched the presentation of the other groups and observed how communities were central to any effective intervention.

Unlike my traditional physics training, there is no such thing as a theory of everything to solve the problems we explored during the course. There is no single solution that can be condensed into a few lines of equations and elucidate all the issues burdening the families of my hometown. Such reductionism remains in the dreams of the traditional physicists and more restricted scientific domains. At the same time, this does not mean that such traditionally distant fields have no use. The amalgamation of different perspectives on a single issue is powerful, especially for public health crises as already shown in the last two years. The Collaborative Field Course has taught me that the collaboration between diverse kinds of expertise plays a pivotal role in developing successful interventions, as long as the voices of each unique community are properly heard.

Saúde e comunidade na terra alencarina

A força da colaboração para a saúde pública em Fortaleza

Por Higor Monteiro

É incerta a recordação do dia em que comecei a apreciar a vida em comunidade que me rodeava enquanto eu crescia no meu bairro natal Vila União. Antes que a violência organizada reinvidicasse seu território sobre os bairros de Fortaleza, nós enquanto crianças crescemos correndo nas ruas, jogando futebol nos campos de areia e explorando o entorno de nossas casas. Há pouco tempo, porém, a sensação de se viver em um bairro “amigável” começou a desaparecer. Enquanto os jovens de hoje se tornam sensíveis a esse ambiente em mudança, ainda é claro ver que o espírito vibrante e persistente da vida urbana alencarina continua tão forte quanto sempre me pareceu em minhas recordações. Quando o Curso de Campo em Saúde Pública de Harvard veio a Fortaleza este janeiro, tive o privilégio de fazer parte do mesmo como um dos estudantes alencarinos.

 O termo Alencarino refere-se a uma pessoa nascida na cidade de Fortaleza, casa do escritor romântico José de Alencar e autor da obra Iracema, uma alegoria para o nascimento do estado do Ceará e o início do processo de colonização no Brasil. Na cidade do sol, como é informalmente conhecida Fortaleza, alencarinos não irão hesitar em listar o que a cidade tem a dar, desde a harmonia entre a areia e o céu das praias que cobrem todo o norte da cidade até a colorida arquitetura neoclássica espalhada pelo centro da cidade, assim como o som do tradicional forró e a emblemática cachaça, velha companheira da típica bebida brasileira caipirinha.

 A partir de tal descrição, Fortaleza parece abençoada em todos os seus cantos com tamanha riqueza tropical. No entanto, esse retrato falha em capturar as realidades de uma cidade altamente desigual, verdades que se tornam transparentes no cotidiano alencarino. Fortaleza é composta por várias cidades internas repletas de diferentes experiências e histórias de relevância. Não por acaso, não é a primeira vez que a Escola de Saúde Pública da Universidade de Harvard vem a Fortaleza com o ambicioso objetivo de olhar para cada uma dessas realidades singulares e explorar seus desafios.

Liderado pela professora Marcia C. Castro e o DRCLAS junto com pesquisadores brasileiros e representantes locais do governo, o Curso Colaborativo de Campo em Saúde Pública reuniu brasileiros e estudantes de Harvard na terra alencarina em 2022. O curso se tornou uma fonte de intercâmbio de saberes e histórias, um espaço de debates entre diferentes perspectivas sobre realidades heterogêneas e um olhar atento às populações vulneráveis já acostumadas a serem marginalizadas das principais histórias do país e do mundo. Como um dos alunos brasileiros, pude sentir o impacto dessa perspectiva desde o primeiro dia de curso.

Apesar de experiências anteriores com pesquisa e da minha posição atual na Célula de Vigilância Epidemiológica da cidade, não pude conter a ansiedade durante o processo de inscrição no curso. Eu temia que minha formação como físico me deixasse muito afastado dos tópicos do curso. Nada disso, felizmente, foi obstáculo para minha candidatura no curso. No entanto, a pandemia e o número crescente de novos casos devido à Omicron nos Estados Unidos tornaram o convite para participar do curso um começo agridoce. 

Uma semana antes do início do curso, recebemos a notícia de que o mesmo iria adotar um modelo remoto para segurança de todos. Senti que tinha acabado de perder uma oportunidade crucial, considerando o quanto estava ansioso para mergulhar no contexto da saúde pública de Fortaleza. Mais tarde, eu perceberia que não tinha nada com que me preocupar.

O curso ofereceu três semanas de imersão em tempo integral, começando na primeira segunda-feira de 2022. A primeira semana apresentou uma série de palestras. Cada um dos tópicos mergulhou nas cenas locais e nacionais, fornecendo um contexto rico em muitos assuntos. Começando com o Sistema Único de Saúde (SUS) brasileiro, exploramos muitas questões, cada uma com uma presença distinta na cidade -– desde as arboviroses, HIV e sífilis até violência, saúde mental, desenvolvimento infantil e até mesmo divulgação científica e desinformação.

Presente em todas as falas, os palestrantes enfatizaram a importância das comunidades locais para a compreensão e resolução efetiva de seus problemas. Dentre elas, a palestra do professor Adalberto Barreto me acompanha até hoje. Barreto é um psiquiatra que lidera o projeto chamado Quatro Varas. Nomeado como forma de lembrar a força da união, o projeto está localizado na favela do Pirambu, comunidade à beira-mar na zona noroeste da cidade. “Assim como a comunidade tem seus problemas, também tem suas soluções.”, disse Barreto ao apresentar seu método reconhecido internacionalmente, conhecido como Terapia Comunitária Integrativa.

Projetado para ajudar com os distúrbios emocionais e psicológicos de comunidades vulneráveis, reduzindo tratamentos médicos desnecessários e caros à base de medicamentos, o método mostra grande sucesso em confortar famílias angustiadas por questões muito comuns em suas vidas– violência, dependência de drogas, pobreza e doença. Tudo isso é feito usando a força do coletivo. Mães, pais, idosos e qualquer membro da comunidade consolam-se através de experiências comuns. Como alguém nascido e criado em Fortaleza, fiquei chocado com o pouco que sabia desse projeto. Quanto mais histórias envolventes eu ouvia de diferentes locais da cidade, mais parecia que eu estava a redescobrir a cidade onde cresci.

Pirambu é um bairro de Fortaleza e é considerado como uma das maiores favelas do Brasil, segundo o último censo em 2010. Credit: Paulo Jefferson P. Barreto.

A palestra de Barreto proporcionou um desses momentos de redescoberta durante o curso, me aproximando da cidade em que vivo. Como estudante de física com formação em conceitos universais e geralmente despidos de qualquer senso de identidade local, a primeira semana de aprendizado me deu a sensação da singularidade desafiadora da situação local. Se esse sentimento de redescoberta foi possível mesmo remotamente, me pergunto o poder que poderia ter pessoalmente. Mas ainda havia mais por vir. Desta vez, o desafio era tomar em nossas próprias mãos os problemas que havíamos aprendido. Durante a segunda e terceira semanas do curso, todos os alunos foram alocados em diferentes grupos, e cada grupo foi responsável por abordar um tema específico de saúde pública, desenvolvendo uma recomendação de intervenção para o município.

O projeto Quatro Varas é composto por diversas atividades terapêuticas para a comunidade do Pirambu. Página oficial no Instagram – “Mismec IV varas”.

Essa tarefa exigia não apenas um conjunto diversificado de habilidades, mas também iniciativa de todos os membros do grupo. Com foco no tema das arboviroses na cidade de Fortaleza, exploramos o complexo objetivo do controle de mosquitos, especificamente do gênero Aedes Aegypti. As arboviroses, como dengue, chikungunya e Zika, fazem parte de um grupo de doenças denominadas Doenças Tropicais Negligenciadas. Como tal, causam um fardo crescente sobre as comunidades vulneráveis que enfrentam acesso inadequado ao abastecimento de água, falta de saneamento básico e más condições de habitação. Embora eu não tenha ficado surpreso ao constatar que grande parte da população da cidade vive em condições de pobreza, senti orgulho ao ver a força que a cidade tem para enfrentar esses desafios.

Durante uma reunião de duas horas com Carlos Alberto, chefe do programa de controle vetorial em Fortaleza, aprendemos sobre os principais passos que poderíamos tomar para lidar com esses mosquitos teimosos. Ao ouvir as vozes de pessoas engajadas no campo, como Carlinhos e sua equipe de agentes de controle de vetores, e de pessoas que lutam há anos para superar efetivamente esses problemas, aprendemos que não estávamos ali para oferecer ingenuamente uma solução definitiva. Na maioria dos casos, esses problemas demandam perspectivas mais sóbrias, que permitam encontrar e preencher lacunas nas ações locais, apontar falhas e propor alternativas políticas para não ampliar a carga de sofrimento das famílias. Ao final do curso, tivemos uma reafirmação desse sentimento ao assistirmos a apresentação dos outros grupos e ao observarmos como as comunidades são fundamentais para qualquer intervenção eficaz.

O programa de controle vetorial de Fortaleza é composto por centenas de agentes responsáveis por visitas rotineiras aos domicílios e potenciais locais de infestação na cidade. Os agentes também são responsáveis pela implementação de intervenções de controle. Credit: Secretaria Municipal da Saúde de Fortaleza (SMS).

Ao contrário da minha formação tradicional em física, não há uma teoria de tudo capaz de resolver os problemas que exploramos durante o curso. Não existe uma solução única que possa ser condensada em algumas linhas de equações e que possa elucidar todas as questões que pesam sobre as famílias da minha cidade natal. Tal reducionismo permanece nos sonhos dos físicos tradicionais e nos domínios científicos mais restritos. Ao mesmo tempo, isso não significa que campos tradicionalmente mais distantes não tenham utilidade. A fusão de diferentes perspectivas sobre uma única questão é poderosa, especialmente para crises de saúde pública como já mostrado nos últimos dois anos. O Curso Colaborativo de Campo me ensinou que a colaboração entre diversos tipos de expertise desempenha um papel fundamental no desenvolvimento de intervenções bem-sucedidas, desde que as vozes de cada comunidade sejam devidamente ouvidas.

More Student Views

Afro-Latinidad as Self-Reconciliation

Afro-Latinidad as Self-Reconciliation

English + Español
For most Black people, February 27th is a fairly insignificant date, simply marking the second-to-last day of Black History Month here in the United States. For me, however, it wholly defines…

Print Friendly, PDF & Email