330x500 placeholder

About the Author

Ethol Exime holds a Master in Sustainable Rural Development (PPGDRS) from the State University of Western Paraná-Unioeste, Marechal Cândido Rondon Campus, Brazil (2021) and currently is a doctoral student in the same program.

Leia a Versão em Português

Ethol Exime é mestre em Desenvolvimento Rural Sustentável (PPGDRS) pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná-Unioeste, Marechal Cândido Rondon Campus, Brasil (2021) e atualmente é estudante de doutorado no mesmo programa.

Masks

 A Luxury Item in Haiti​

by | Apr 14, 2022

“Nurse Marie” tells her patients over and over again to  keep their masks safe, clean, and sanitized. Masks are a luxury item in Haiti. “I always make it a priority here at the hospital and at home to explain to patients how to use the masks the right way, how to store the items so they can last longer, since they are too scarce and not everyone can afford them,” she explains. The shortages of masks drive up the numbers of cases of Covid-19 and make the fight against the disease in Haiti more difficult.

Only 199,874 people have been vaccinated against Covid-19 in Haiti, out of a population of 11 million inhabitants, according to the January 2022 report from the UNICEF-supported vaccination center in Port-au-Prince. According to the British International News Agency (Reuters), from its daily update, the country had 820 fatalities by the date of February 24, 2022, a relatively low number compared to other developing countries.

The problems are very basic and very challenging. Masks—a strong defense against the virus—are mostly not being used. “ Nurse Marie,” (not her real name) from the city of Jacmel in south-eastern Haiti,  told me that she sees most people maskless in closed places such as churches and markets.

 Some people do not take these basic precautions because masks are simply not available. Others do not want to use them because they are hot and uncomfortable because of the Haitian heat. But for many Haitians, maks are simply too expensive. A mask in a local store costs around 15 to 30 gourdes; it would take up to two hours at minimum wage to buy one. A box of masks costs 80 to 120 Haitian gourdes per box, an amount considered unaffordable, since the minimum wage is around 250 to 420 gourdes (US $ 1.00 = 104.00 gourdes) for 8 hours of work. It is almost impossible for Haitians to comply with the recommendations of the World Health Organization (OMS) to use masks as a preventative measure against Covid-19.

 A photograph shows a large number of people without masks gathered in a church for a funeral in the city of Marigot-Haiti, in a closed place with a large number of maskless people. I talked to a group of people who told me that the people who were not wearing masks don’t own one and don’t have the money to purchase masks. In the few places that require masks, people tell me, “Sometimes we use a T-shirt on our face or any cloth” to enter places that require Covid-19 safety masks.

 There are no government mandates for mask-wearing and no government assistance to subsidize their purchase. Alleged corruption surrounds the distribution of masks by non-governmental local organizations who distribute the items through politicians and city administrations. The masks, which are intended to be distributed for free, end up being sold on the black market, as the group of people I talked to reported, Marie also confirmed that she had heard of these sales of other products related to Covid-19.

 Haitians use masks over and over again, sometimes for months, because of their expense. According to the authors De Sousa Neto & de Freitas (2020), a frequently worn mask loses its efficiency to prevent the contamination of the disease. And even beyond those who cannot afford masks,  much of the population does not believe that Covid-19 exists, it is considered to be any illness, such as a cold, influenza, or even a fever a factor that impedes reliable statistics gathering. In addition, these are the reasons that contributed to the 820 deaths in Haiti.  

 Vaccine resistance is also an issue. Over and over again in the open-air markets, we are told by sellers and buyers, from the market in the city of Cayes-jacmel, situated in the southeast of Haiti, about two hours from the city of Jacmel, “We will not take the vaccine, because Covid-19 does not even exist” Ironically, those in the market are vulnerable to contagion: garbage is thrown everywhere, there is no hand sanitizer, and most everyone is without a mask. it is confirmed that some come in the market to buy St. Caetano’s melon, a traditional plant/fruit in Haiti that usually helps to ease body aches, minimize and remedy symptoms such as flu and fever. People believe it’s a remedy for Covid-19, but they put themselves at risk by entering the maskless market.

 When talking with Nurse Marie, I learned beyond the issue of masks, hospitals lack medication and health professionals with specific knowledge about Covid-19. The university educational system has been abandoned by the government and there are no public policies for the training of medical professionals, due to lack of investment, poor governmental structure, as I highlighted in my master’s thesis.  Hospitals without financial resources are unable to provide quality hospital facilities, as can be seen in the image below. 

 Talking to another nurse “Chayane,” via the Google meet app, I was told that “we are lucky still, to be able to give some assistance to this group of affected people,”  explaining the urgent need to provide help to Haitian hospitals.

 The hospital system, which depended on help from the international community and foreign organizations, has found that insecurity affects the delivery of medicines and other supplies for the hospital since they usually come from country’s capital. The country’s capital has suffered from armed gangs hijacking cars, trucks carrying goods and food, and kidnapping people from humanitarian aid.  On October 16, 2021, for example, the group “400 Mawozo” kidnapped 17 American northerners on a religious mission in Haiti, information reported by CNN Brazil and confirmed by the Haitian Minister of Interior and Justice. These obstacles diminishing efforts to deal with the  cases of Covid, even if the official rate of death and hospitalizations was relatively low compared to other countries.

 The nurses whom I talked to and who reported the problems of the hospitals made it clear that nothing can be done from within the hospitals, except to wait for help coming from outside. Marie said her hospital needed goods  of all kinds, masks, analgesics and respiratory devices. 

 The Haitian hospitals and medical teams face severe limitations, because of the lack of financial resources to make the purchase, in addition to getting aid safely where it is needed, because of kidnappings along transport routes.  The government has provided help to the population as best it can, but it is not enough for all citizens. The economic crisis facing Haiti limits government actions, so there is no way to measure the government contribution in Haiti, due to lack of available data.. I particularly don’t believe that this situation should not be left exclusively to the government, meaning that each citizen should assume a role in helping to preserve life in the country by making their own contributions, such as using alcohol gel for sanitizing and individual protection masks.

I propose to create a group of help from the Haitian diaspora and other people and companies that want to help to make donations directly to hospitals without going through the government. The masks and medicines must be bought in other countries to be sent to Haiti, because besides the corruption, there is a strong shortage of the product in the country. To solve the problems of kidnapping, the transport should be by sea to the city of Jacmel, where there is no strong presence of the group “400 Mawozo.”

 In addition, an extensive education program should be conducted to educate people about Covid-19: they need to know urgently that Covid-19 is not a flu, but a pandemic. Volunteers could go to places such as churches, community markets and associations in order to explain the disease, since many Haitians do not have electricity at home to listen to radios and watch television. Also, in general, the Haitian population needs to learn to choose politicians who represent them and who do not steal the few financial resources available to help the country.    

I present the following picture of the hospital in the city of Cayes-jacmel, as the nurse “Marie” observed, if all hospitals in Haiti were like this, there would be more expectation and chance to fight Covid- 19. Looking at the photo, you can tell that it is the best room in the hospital, the best equipped. 

A man in the hospital in Cayes-jacmel has difficulty breathing. Source: Collection of the author.

In the image below, in a church in the city of Marigot-Haiti, Haitians gather to give the last goodbye to a Pierre Marcel. A curious fact, in this burial, is that the reason of his death is unknown, but at the same time, the photo helps to confirm that people don’t wear masks even in a closed environment.  

Funeral of a Haitian citizen in the Catholic church in the city of Marigot-Haiti. Source: Collection of the author.

The following image shows the agglomeration and circulation of people in the community market, without any masks.

Haitians crowding into the community market in the city of Cayes-jacmel-Haiti without masks Source: Author’s Collection

The loss of 820 victims in the Covid-19 pandemic apparently does not scare the Haitian people, many of whom do not believe in the existence of the disease. At the moment Haiti is registering an average of 106 a day  of the new Omicron variant, a new high of cases in the country.  Previously the average was between 40 and 65 cases per day.

Haiti should not be alone in this effort. I consider it necessary that to fight the pandemic, countries need to fight it together. Otherwise we will continue to see cases and cases spread around the world even with closed borders. If a new variant appears in Haiti, it will not be possible to keep only there, as we have seen in recent months with the omicron variant, which appeared in South Africa and spread rapidly around the world.

Máscaras

Um item de luxo no Haiti

Por Ethol Exime

A “Enfermeira Marie” diz repetidas vezes a seus pacientes para manter suas máscaras seguras, limpas e higienizadas. As máscaras são um item de luxo no Haiti. “Eu sempre faço com que seja uma prioridade aqui no hospital e em casa, de explicar aos pacientes como usar as máscaras da maneira correta, como armazenar os itens para que eles possam durar mais, pois eles são muito escassos e nem todos podem pagá-los”, explica ela. A escassez de máscaras aumenta o número de casos de Covid-19 e torna ainda mais difícil a luta contra a doença no Haiti.

De uma população de 11 milhões de habitantes, apenas 199.874 pessoas foram vacinadas contra o vírus da Covid-19 no Haiti, de acordo com o relatório de janeiro de 2022 do centro de vacinação apoiado pela UNICEF, em Porto Príncipe. Segundo a Agência Britânica de Notícias Internacionais (Reuters), de atualização diária, o país teve 820 fatalidades até a data de 24 de fevereiro de 2022, um número relativamente baixo em comparação com outros países em desenvolvimento.

Os problemas são muito básicos e desafiadores. As máscaras – uma forte ferramenta de defesa contra o vírus – não estão sendo usadas em sua maioria. A enfermeira Marie, (nome fictício), da cidade de Jacmel no sudeste do Haiti, enfatizou que vê a maioria das pessoas sem máscara em lugares fechados, como nas igrejas e mercados.

Algumas pessoas não tomam estas precauções básicas porque as máscaras simplesmente não estão disponíveis. Outras não querem usá-las porque são quentes e desconfortáveis, por causa do calor haitiano. Contudo, para muitos haitianos, as máscaras são simplesmente muito caras. Uma máscara em uma loja local custa em torno de 15 a 30 gourdes da moeda haitiana; levaria até duas horas de trabalho, com um salário mínimo, para comprar uma. Uma caixa de máscaras custa de 80 a 120 gourdes por caixa, uma quantia considerada inacessível, já que o salário mínimo é de cerca de 250 a 420 gourdes (US$ 1,00 = 104,00 gourdes) por 8 horas de trabalho. É quase impossível para os haitianos cumprirem as recomendações da Organização Mundial da Saúde (OMS) de usar máscaras como medida preventiva contra a Covid-19.

Uma fotografia mostra um grande número de pessoas sem máscaras reunidas em uma igreja para um funeral na cidade de Marigot-Haiti, em um local fechado que pode influenciar mais nos casos de covid-19. Falei com um grupo de pessoas que me disseram que as pessoas que não estavam usando máscaras não possuem uma e não têm dinheiro para comprar máscaras. Nos poucos lugares que exigem máscaras, as pessoas me disseram: “Às vezes usamos uma camiseta no rosto ou qualquer pano” para entrar em lugares que têm essa exigência como segurança contra a  Covid-19.

Não há obrigação do governo para o uso de máscaras e não há assistência governamental para subsidiar sua compra. A alegada corrupção envolve a distribuição de máscaras por organizações não governamentais locais, que distribuem os artigos através de políticos e administrações municipais. As máscaras, que devem ser distribuídas gratuitamente, acabam sendo vendidas no mercado negro, como informou o grupo de pessoas com quem conversei, Marie também confirmou ter ouvido falar dessas vendas, além de outros produtos relacionados a Covid-19.

Os haitianos usam máscaras uma ou outra vez, às vezes durante meses, por causa de suas despesas. Segundo os autores De Sousa Neto & de Freitas (2020), uma máscara frequentemente usada perde sua eficiência para evitar a contaminação da doença. Além daqueles que não podem pagar pelas máscaras, grande parte da população não acredita que a Covid-19 exista, sendo considerada como outra doença qualquer, como resfriado, gripe, ou mesmo febre, um fator que impede a obtenção de estatísticas confiáveis. Além disso, estas são as razões que contribuíram para as 820 mortes no Haiti.

A resistência à vacina também é um problema. Nos mercados ao ar livre, repetidamente somos informados por vendedores e compradores, do mercado da cidade de Cayes-jacmel, situada no sudeste do Haiti, a cerca de duas horas da cidade de Jacmel, “Não tomaremos a vacina, porque Covid-19 nem sequer existe”. Ironicamente, aqueles no mercado são vulneráveis ao contágio: o lixo é jogado em todos os lugares, não há higienizador de mãos e a maioria das pessoas está sem máscaras. Está confirmado que alguns vêm ao mercado para comprar “Assorossi” é conhecido no Brasil como “Melão de são Caetano”, uma planta/fruta tradicional no Haiti que normalmente ajuda a aliviar dores no corpo, minimizar e remediar sintomas como gripe e febre. As pessoas acreditam que é um remédio eficiente para a Covid-19, mas se colocam em risco ao entrar no mercado sem máscara.

Ao conversar com a enfermeira (Marie) entendi que além da questão das máscaras, faltam medicamentos nos hospitais e profissionais de saúde, com conhecimentos específicos sobre a Covid-19. O sistema educacional universitário foi abandonado pelo governo e não existem políticas públicas para a formação de profissionais na área da medicina, devido à falta de investimento e péssima estrutura governamental, como destaquei na minha dissertação de mestrado. Hospitais sem recursos financeiros são incapazes de oferecer instalações hospitalares de qualidade, como pode ser visto na imagem abaixo.

Falando com outra enfermeira “Chayane”, através do aplicativo Google meet app, ela me disse: “ainda temos sorte de poder dar alguma assistência a este grupo de pessoas afetadas”, explicando a necessidade urgente de fornecer ajuda aos hospitais haitianos.

O sistema hospitalar que dependia da ajuda da comunidade internacional e de organizações estrangeiras, descobriu que a insegurança afeta a entrega de medicamentos e outros suprimentos para o hospital, uma vez que eles geralmente vêm da capital do país. A capital do país tem sofrido com o sequestro de carros, caminhões que transportam mercadorias e alimentos, além do  sequestro de pessoas de ajuda humanitária.  Em 16 de outubro de 2021, por exemplo, o grupo “400 Mawozo” sequestrou 17 norte americanos em uma missão religiosa no Haiti, informação relatada pela CNN Brasil e confirmada pelo Ministro do Interior e Justiça do Haiti. Estes obstáculos diminuem os esforços para lidar com os casos de Covid-19, mesmo que o índice oficial de mortes e hospitalizações tenha sido relativamente baixo em comparação com outros países.

As enfermeiras com quem conversei e que relataram os problemas dos hospitais deixaram claro que nada pode ser feito de dentro dos hospitais, exceto esperar por ajuda vinda de fora. “Marie” disse que seu hospital precisava de bens de todos os tipos: máscaras, analgésicos e aparelhos respiratórios.

Os hospitais e equipes médicas haitianas enfrentam sérias limitações, devido à falta de recursos financeiros para fazer a compra, além de conseguir ajuda com segurança onde ela é necessária, em função dos sequestros ao longo das rotas de transporte.  O governo tem fornecido ajuda à população da melhor forma possível, mas isso não é suficiente para todos os cidadãos. A crise econômica que o Haiti enfrenta limita as ações do governo, portanto, não há como medir a contribuição do governo no Haiti, devido à falta de dados disponíveis. Eu particularmente não acredito que esta situação não deve ser deixada exclusivamente ao governo, o que significa que cada cidadão precisa assumir o papel de ajudar para preservar a vida no país, fazendo suas próprias contribuições, como o uso de álcool gel para higienização e máscaras de proteção individual.

Proponho criar um grupo de ajuda da diáspora haitiana, de outras pessoas e empresas que queiram ajudar a fazer doações diretamente aos hospitais, sem passar pelo governo. As máscaras e medicamentos devem ser comprados em outros países para serem enviados ao Haiti, pois além da corrupção, há uma forte carência do produto no país. Para resolver os problemas de sequestro, o transporte deve ser por mar até a cidade de Jacmel, onde não há forte presença do grupo “400 Mawozo”.

Além disso, um amplo programa de educação deve ser realizado para educar as pessoas sobre o Covid-19: elas precisam saber urgentemente que o Covid-19 não é uma gripe, mas uma pandemia. Os voluntários poderiam ir a lugares como igrejas, mercados comunitários e associações para explicar a doença, já que muitos haitianos não têm eletricidade em casa para ouvir rádios e assistir televisão. Em geral, a população haitiana precisa aprender a escolher políticos que os representem e que não roubem os poucos recursos financeiros disponíveis para ajudar o país.

Apresento a seguinte imagem do hospital na cidade de Cayes-jacmel. Como observou a enfermeira “Marie”, se todos os hospitais no Haiti fossem assim, haveria mais expectativa e chance de combater a Covid- 19. Olhando para a foto, pode-se dizer que é o melhor quarto do hospital, o mais bem equipado.

Um homem no hospital em Cayes-jacmel tem dificuldade para respirar. Fonte: Cayes-jacmel: Arquivo pessoal do autor.

Na imagem abaixo, em uma igreja na cidade de Marigot-Haiti, os haitianos se reúnem para dar o último adeus a Pierre Marcel. Um fato curioso neste enterro é que a razão de sua morte é desconhecida, mas, ao mesmo tempo, a foto ajuda a confirmar que as pessoas não usam máscaras mesmo em ambientes fechados.

Funeral de um cidadão haitiano na igreja católica da cidade de Marigot-Haiti. Fonte: Marigot-Haiti: Arquivo pessoal do autor.

A imagem seguinte mostra a aglomeração e circulação de pessoas no mercado comunitário, sem nenhuma máscara.

Haitianos se aglomeram no mercado comunitário da cidade de Cayes-jacmel-Haiti sem máscaras Fonte: Arquivo pessoal do autor.

A perda de 820 vítimas da pandemia de Covid-19 aparentemente não assusta o povo haitiano, muitos dos quais não acreditam na existência da doença. No momento, o Haiti está registrando uma média de 106 por dia da variante Ômicron, uma nova alta de casos no país. Anteriormente, a média estava entre 40 e 65 casos por dia.

O Haiti não deveria estar sozinho neste esforço. Considero necessário que para combater a pandemia, os países precisem combatê-la juntos. Caso contrário, continuaremos a ver casos e casos espalhados pelo mundo, mesmo com fronteiras fechadas. Se uma nova variante aparecer no Haiti, não será possível manter somente lá. Como vimos, nos últimos meses a variante Ômicron, que apareceu na África do Sul se espalhou rapidamente pelo mundo.

More Student Views

Afro-Latinidad as Self-Reconciliation

Afro-Latinidad as Self-Reconciliation

English + Español
For most Black people, February 27th is a fairly insignificant date, simply marking the second-to-last day of Black History Month here in the United States. For me, however, it wholly defines…

Print Friendly, PDF & Email