The Brazilian middle class and Its Illusory Search for an Elite Identity:

Impressions from Field Research on the Upper Class in the Northeast

There are 67 people in all of Brazil who are billionaires.

But there are plenty more we could consider elite. They are generally white, male, owners of manufacturing assets, large corporations and rent-seekers. We consider elites to be those groups of people situated in the higher social strata of society with economic and political power.

Those who are elite or upper class span a wide range, a more economically diffuse group than the middle class or the poor. The Brazilian upper class comprises individuals who earn more than $727.87 monthly up to millionaires and billionaires, as defined by the Brazilian Institute of Geography and Statistics (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, IBGE after its Portuguese acronym).

What we’ve found in our research is that the Brazilian middle class aspires to this elite status, wearing the watches the rich wear, using the brand names favored by the rich, traveling to the places the rich travel. But before we share with you what we’ve found, let’s look at Brazilian class structure in general.

Social classes in Brazil are made up of subtle and evident inequalities. Several ways exist to classify social stratifications. For instance, the IBGE bases its definitions on income in relation to the minimum wage. In 2022, the minimum wage in Brazil is US$234.88 (We used the exchange rate of February 25, 2021, with one dollar equivalent to 5.16 reais). People with a per capita income between $188.12 and $727.86 per month are considered middle class. In other words, people viewed as poor or from the lower classes earn less than $188.11 per month.

On the other hand, people in the upper class or considered class “A” earn more than $727.87 (We used the exchange rate of February 25, 2021, when one dollar was equivalent to 5.16 reais). Looking at the percentages of the population of each class in Brazil, we can present the upper class as being 6%, the traditional middle class 47% and the lower class 47%. With the Covid-19 pandemic, 4.7 million people left the middle class in Brazil in the year 2021. To make a comparison, we live in the state of Ceará in Brazil’s Northeast. The percentage of people in Class A is 1%; the middle class is 42% and the lower class is 57%.

We observe that lower- and middle-class people are financially similar to each other—separated by only a few dollars, but the upper class has a wider spread of income. The elite, within the social stratification, is a dominant class, according to Indian literary critic Gayatri Chakravorty Spivak in Can the Subaltern Speak?. To maintain its place of privilege, the elite forge alliances with other elites and advocate meritocracy as a tool for social mobility.

We’ve found that the middle class mirrors these elites and the meritocratic discourse as a possibility for social ascension and linkage with the upper social class. The Brazilian middle class recognizes itself as elite, but, in reality, the middle class is servile to the elite. However, we remember that Brazil is a country with alarming social inequality. We understand that the middle-class classification may vary depending on the region but that the elite ideals of people in the middle class are common regardless of where they live.

We conduct research with elites and middle classes in small towns and large urban centers, as well as with people living in poverty. We have noticed that middle-class people seek to differentiate themselves from the lower classes by assuming an elite identity. They seek to present a lifestyle with characteristics of exclusivity. Several services in Fortaleza, the capital of Ceará, offer themselves as elitist spaces with names that express the difference from other places, such as prime, exclusive, select, experience, concept, using English words to denote an elitization linked to U.S. culture. There is a building material store called Normatel in different parts of the city, but there is only one store called Normatel Premium in the upper-middle-class neighborhood of Fortaleza.

Luxury Condominium in a city near the capital of Ceará, Northeast Brazil. Photo: James Moura Jr.

We perceive that exclusivity needs to be displayed as well. Middle-class people generally tend to buy specific products that build an elite identity, such as clothes, cars, watches and jewelry with brands favored by the upper classes. These products need to be seen by people from the same middle class and lower classes because they are the signs that they have achieved a successful position. In field research, we notice that we are evaluated on how we dress. When we are interviewing middle-class people, we see that the interviewees glance at our clothes, shoes and cellphones. With studies with people from lower classes, we should avoid ostentation. With our middle-class respondents, we should aim to use products that the respondents recognize as being linked to elite identity.

This middle-class identity is based on the search for social differentiation. We try to understand why this need for differentiation and the construction of alienation from their social place in society, because the middle classes are part of the working class. If people in the middle class stop working for a few months, they will probably fall below the poverty line or quickly lose their financed assets. However, it is essential to remember that elites can maintain their elite status without working for long periods, because they usually have several properties, incomes and assets that they can use to maintain a similar standard of living.

In The Middle Class in the Mirror: Its History, Dreams and Illusions, Brazilian professor Jessé de Souza points out that middle-class people reproduce thoughts, opinions and feelings of the people located in the upper social strata. Going through the history of servitude and Brazilian colonization reported in Brazilian historian Emília Viotti da Costa’s Da monarquia à república: momentos decisivos (From the Monarchy to the Republic: Decisive Moments), we understand that there is a group of people and their families who are really considered elites and who have been in the upper strata of society since the first cities in Brazil, composing the top of the pyramid in the economic, political and media systems.

The Brazilian elite has had more connections with Europe than with the mass of the Brazilian population, mostly non-white and working class. They have tried to differentiate themselves from the majority of the people by importing lifestyles of the elites from European countries and more recently from the United States. The elites are generally formed by white men who are served by women, Black and Indigenous people. The axes of oppression forged the power figure based on the lord of the big house as economic and political power holder.

Painting “An official on a walk with his family” by Jean-Baptiste Debret. Source: Book “Viagem Pitoresca e Histórica ao Brasil” (“Picturesque and Historical Journey to Brazil”) by Jean-Baptiste Debret

The plantation lords, as the central father figure, is the representative of this elite figure who must be served. They carried products that differentiated him (color, gender, clothing, house, property and enslaved people) according to Brazilian anthropology professor Lilia Moritz Schwarcz in Sobre o autoritarismo brasileiro (About Brazilian Authoritarianism). In this patriarchal system, women had an inferior role. The men’s sons had the mission of continuing the lordly power: they would be the future lords. The daughters expanded the family inheritance and social and political influence through promising marriages.

In Northeastern Brazil, a contemporary figure of the Lord of the Plantation is landowners. They were known as colonels and had significant political and economic power. The inhabitants of the inland cities had to serve him in the most diverse ways, from the labor force to the sexual exploitation of women. Being elites based on the privilege of being served at the expense of the exploitation and extermination of the Black, Indigenous and female populations. This domination project echoes to this day, as most poor people are black and most violent deaths are of non-white people.  

Painting “A Brazilian Dinner” by Jean-Baptiste Debret. Source: Book “Viagem Pitoresca e Histórica ao Brasil” (“Picturesque and Historical Journey to Brazil”) by Jean-Baptiste Debret

We notice that the middle classes desire to belong to this colonial space of privilege of being served and of being seen as the lord of the plantation. This is a desirable position for those who struggle daily to survive by working. However, the Brazilian middle classes pay for their daily privileges, such as their mortgaged apartments, SUV cars, children in expensive private schools, health insurance, yearly trips outside Brazil and maids. In the Northeast of Brazil, middle-class families were in the habit of taking girls from the countryside cities to live in their homes to work. Some families still reproduce these exploitative relations today. In their discourse, they tell the low-income families of these girls that they would have better living conditions in the capital, but, in fact, they reproduced slave relations, not paying a minimum wage and keeping these girls in private captivity.

Two SUV cars entering middle-class buildings in Fortaleza, Ceará, Northeast Brazil. Photo: James Moura Jr.

We note that it is challenging to reflect on how this middle-class place that wants to be elite is intrinsically linked to subjective issues, family roots, and colonial structures. As authors of this article, we are part of this select and diffuse group considered elite in Brazil in the IBGE social stratification criteria because our salaries as university professors put us in the upper-class group. Therefore, we should recognize our place in Brazilian society. However, we still feel part of the working class that questions the meritocracy and cannot stop working. This perception is different from most people in Brazil who are part of the middle class but recognize themselves as elites. Currently, impoverishment and an increase in cases of hunger are affecting many Brazilians. Recognizing our social position in society is, besides a challenge, the first step to question the inequality present in Brazil and its colonial origins.

I, Francileuda, as a professor and psychologist, feel invited to interrupt the patterns of power that lead to oppression between classes. I know that I need to start questioning my place in society. Recognizing my position of privilege enables me to understand that I sometimes have thoughts based on meritocracy but that these are thoughts inculcated by colonial elites. I, James, recognize that my privileges are tied to whiteness and masculinity. They helped me gain a job as a university professor based on maintaining racial, social and gender inequalities. However, I feel compelled to build a practice that questions these privileges and seeks to disentangle these unequal structures.

We believe that recognizing our privilege may be related to the fact that we come from families situated in the lower classes. We remember our situations of deprivation in our childhood, adolescence and early adulthood. We were able to access higher education, because the university system in Brazil is free. Thus, we tread a challenging movement of (un)learning, of (un)constructing the place of privilege to which we have access. In this trajectory, we implicate ourselves with the place of researcher and researched and we launch ourselves in the defiance of understanding our whiteness and our social class in a critical way, as Brazilian anthropologist Lourenço Cardoso points out in O Branco Ante a Rebeldia do Desejo: Um Estudo sobre o Pesquisador Branco que Possui o Negro como Objeto Científico Tradicional (White Facing the Rebelliousness of Desire: A Study of the White Researcher Who Has the Black as a Traditional Scientific Object).

Thus, we seek to develop research with elites and middle classes in Brazil to dissect these meritocratic desires, the need to be served, and a compulsion for accumulation and exposure. Hopefully, with this information we can present to our upper-class peers a strategy to interrupt this narcissistic pact of the middle classes not to be questioned and to have their achievements recognized as an individual effort.

Classe média brasileira e sua Busca Ilusória por uma Identidade de Elite

Impressões do Campo de Pesquisa com Classes Altas no Nordeste do Brasil

Por James Moura Jr. e Francileuda Farrapo Portela 

67 pessoas em todo Brasil que são bilionários.

Porém há muito mais gente que poderia ser considerada elite. Eles geralmente são brancos, homens, donos de meio de produção, grandes empresas e rentistas. Nós consideramos elites aqueles grupos de pessoas situados nas camadas sociais mais altas da sociedade com poder econômico e político.

Aqueles que são elite ou classe alta abrangem uma ampla gama, sendo um grupo economicamente mais difuso do que a classe média ou os pobres. A classe alta brasileira compreende indivíduos que ganham mais de $727,87 mensais até milionários e bilionários, conforme definido pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O que encontramos em nossa pesquisa é que a classe média brasileira aspira a este status de elite, usando os relógios que os ricos usam, usando as marcas favorecidas pelos ricos, viajando para os lugares que os ricos viajam. Porém, antes de compartilharmos com vocês o que descobrimos, vamos olhar a estrutura da classe brasileira em geral.

As classes sociais no Brasil são constituídas por desigualdades subliminares e evidentes. Há diversas formas de classificar as estratificações sociais. O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) usa um critério baseado na renda em relação com o salário-mínimo. Em 2022, o salário-mínimo no Brasil é de $ 234.88 (Utilizamos a cotação do dia 25 de fevereiro de 2021 em que um dólar equivalia a 5,16 reais). São considerados classe média as pessoas que têm a renda no valor per capita entre $ 188.12 a $ 727.86 por mês. Ou seja, as pessoas consideradas pobres ou das classes mais baixas ganham menos que $ 188.11 por mês.

 Já as pessoas da classe A ganham acima de 727.87. Pensando as porcentagens da população de cada classe no Brasil, podemos apresentar a classe alta como sendo 6%, a classe média tradicional 47% e a classe baixa 47%. Com a pandemia de COVID-19, 4,7 milhões de pessoas saíram da classe média no Brasil no ano de 2021. Para fazer um comparativo, nós moramos no estado do Ceará que fica no Nordeste do Brasil. A porcentagem de pessoas da Classe A é 1%, classe média 42% e classe mais baixa 57%.

Observamos que as pessoas de classe baixa e média são financeiramente semelhantes umas às outras – separadas apenas por alguns reais, mas a classe alta tem uma distribuição de renda mais ampla. A elite, dentro da estratificação social, é uma classe dominante, de acordo com a crítica literária indiana Gayatri Chakravorty Spivak em Pode ao subalterno? Para se manter em seu lugar de privilégio, a elite faz aliança com outras elites e defende a meritocracia como ferramenta para mobilidade social.

Nós encontramos que a classe média espelha-se nessas elites e no discurso meritocrático como possibilidade de ascensão social e vinculação com a classe social mais alta. A classe média brasileira reconhece-se como elite, mas, na realidade, a classe média é servil a elite. No entanto, lembramos que o Brasil é um país com uma desigualdade social alarmante.  Nós entendemos que a classificação de classe média pode variar dependendo da região, mas que os ideais elite de pessoas na classe média são comuns independente do local ou cidade de moradia.

Nós fazemos pesquisas com elites e classes médias de pequenas cidades e de grandes centros urbanos, como também desenvolvemos pesquisas com pessoas em situação de pobreza. Nós notamos que as pessoas de classe média buscam diferenciar-se das classes mais baixas assumindo uma identidade de elite. Elas buscam apresentar um estilo de vida com características de exclusividade. Há uma série de serviços em Fortaleza, capital do estado do Ceará, que se apresentam como espaços elitizados com nomes que os diferenciem de outros locais, como prime, exclusive, select, experience, concept, utilizando palavras em inglês para denotar uma elitização vinculada a cultura americana.

Há uma loja de materiais de construção chamada Normatel em diferentes partes da cidade, porém há somente uma loja chamada Normatel Premium no bairro da classe média-alta de Fortaleza.

Condomínio de luxo em uma cidade próxima à capital do Ceará, no Nordeste do Brasil. Foto: James Moura Jr

Nós percebemos que a exclusividade deve ser exposta também. As pessoas de classe média geralmente tendem a comprar produtos específicos que criam uma identidade de elite, tais como roupas, carros, relógios e jóias com marcas favorecidas pelas classes altas. Esses produtos precisam ser vistos pelas pessoas da mesma classe média e das classes mais baixas, porque são os sinais que conseguiram alcançar uma posição de sucesso. Na pesquisa de campo, notamos que somos avaliados sobre como nos vestimos. Quando entrevistamos pessoas de classe média, vemos que os entrevistados olham para nossas roupas, sapatos e telefones celulares. Com estudos com pessoas de classes mais baixas, devemos evitar a ostentação. Com nossos entrevistados da classe média, devemos procurar utilizar produtos que os entrevistados reconhecem como estando ligados à identidade de elite.

Esta identidade de classe média tem como base a busca pela diferenciação social. Nós tentamos entender o porquê dessa necessidade de diferenciação e de construção da alienação do seu local social na sociedade, pois as classes médias fazem parte da classe trabalhadora. Caso as pessoas situadas na classe média deixem de trabalhar por alguns meses, eles provavelmente cairão para abaixo da linha da pobreza ou perderão rapidamente seus bens financiados. No entanto, é importante lembrar que as elites podem ficar sem trabalhar por longos períodos, porque geralmente tem diversas propriedades, rendimentos e bens que podem utilizar para manter um padrão de vida semelhante.

No livro A classe média no espelho: Sua história, seus sonhos e ilusões, o professor brasileiro Jessé de Souza aponta que as pessoas de classe média reproduzem pensamentos, opiniões e sentimentos das pessoas situadas nas camadas sociais mais altas. Percorrendo o histórico da servidão e de colonização brasileira relatados no livro Da monarquia à república: momentos decisivos da historiadora Emília Viotti, entendemos que há um conjunto de pessoas e suas famílias considerados realmente de elites que se mantem nos estratos superiores da sociedade desde as capitanias hereditárias compondo o topo da pirâmide nos sistemas econômicos, políticos e midiáticos.

A elite brasileira teve mais vínculo com a Europa do que com a massa da população brasileira que é em sua maioria não branca da classe trabalhadora. Ela buscava se diferenciar da maioria da população importando modos de vida das elites dos países europeus e mais recentemente dos Estados Unidos. As elites são constituídas geralmente por homens brancos, sendo servidos por mulheres, pessoas negras e indígenas. O patriarcado e o racismo favoreceram a reinvenção da família nos tempos coloniais e forjou a própria história das classes sociais brasileiras. Ele forjou a figura de poder baseada no senhor da casa grande como detentor do poder econômico e político.  

Pintura “Um funcionário numa caminhada com sua família” por Jean-Baptiste Debret. Fonte: Livro “Viagem Pitoresca e Histórica ao Brasil”, de Jean-Baptiste Debret

O senhor de engenho, como figura paterna central, é o representante dessa figura da elite em que é servido, porta produtos que o diferenciam (cor, gênero, vestimentas, casa, propriedades e pessoas escravizadas) de acordo com professora de Antropologia Lilian Moritz Schwarcz no Sobre o autoritarismo brasileiro. Nesse sistema patriarcal, a mulher tinha papel inferior. Ainda hoje notamos que maioria das pessoas com maior poder econômico são homens brancos no Brasil. Os filhos homens tinham a missão de continuidade do poder senhorial: seriam os futuros senhores. As filhas serviam para ampliar o patrimônio familiar e influência social e política, por meio de casamentos promissores.

No Nordeste do Brasil, uma figura contemporânea do senhor de engenho são os latifundiários. Eles eram conhecidos como coronéis e tinham um poder político e econômico significativo. Os habitantes das cidades do interior tinham que servi-lo das mais diversas maneiras, desde a força de trabalho até a exploração sexual das mulheres. Assim, as elites reproduziam suas posições socais. Este era o modelo de sociedade brasileira baseada no privilégio de ser servido às custas da exploração e e de extermínio das populações negras, indígenas e mulheres. Esse projeto de dominação ecoa até os dias de hoje, pois a maioria das pessoas pobres são negras, como também a maioria das mortes violentas são de pessoas não-brancas.

Pintura “Um Jantar Brasileiro” de Jean-Baptiste Debret. Fonte: Livro “Viagem Pitoresca e Histórica ao Brasil”, de Jean-Baptiste Debret

Assim, percebemos que há um desejo das classes médias de pertencer a esse espaço colonial de privilégio de ser servido e de ser visto como esse senhor de engenho. Esta é uma posição muito atraente e desejada para quem tem que cotidianamente que batalhar para buscar sua sobrevivência a partir do trabalho. No entanto, as classes médias brasileiras pagam por seus privilégios cotidianos, como seus apartamentos financiados, seus carros SUV, seus filhos em escolas particulares caras, seus planos de saúde, suas viagens anuais para o exterior do Brasil e suas empregadas domésticas. No Nordeste do Brasil, as famílias de classe média tinham o hábito de levar meninas das cidades do interior para morar em suas casas para trabalhar. Algumas famílias ainda reproduzem estas relações de exploração até hoje. Em seu discurso, elas dizem às famílias de baixa renda destas meninas que elas teriam melhores condições de vida na capital, mas, na verdade, reproduzem relações de escravidão, não pagando um salário mínimo e mantendo estas meninas em cárcere privado.

Dois carros SUV entrando em prédios de classe média em Fortaleza, Ceará, Nordeste do Brasil. Foto: James Moura Jr

Assim, elas constroem uma sensação ilusória de que são elites, que são servidas, que não precisam se preocupar com sua renda. Dessa forma, a classe média tem se mostrado como um espelhamento da elite brasileira. Refletir sobre a origem e essa necessidade de espelhar-se nas elites abre possibilidades de romper com a naturalização desse sistema de opressão que foi articulado desde o início da sociedade brasileira a partir da colonização desenvolvida pelo homem branco, patriarcal, sexista e capitalista.

É um desafio pensar como esse lugar de classe média que quer ser elite está intrinsecamente ligado a questões subjetivas, enraizamentos familiares e estruturas coloniais. Nós, como autores desse artigo, fazemos parte deste seleto e difuso grupo considerado elite no Brasil no critério de estratificação social do IBGE, porque nossos salários de professores universitários estão localizados no grupo da classe mais alta. Assim, nós devemos reconhecer nosso local na sociedade brasileira. No entanto, nós ainda nos sentimos fazendo parte da classe trabalhadora que questiona  a meritocracia e que não pode deixar de trabalhar. Essa percepção é diferente da maioria das pessoas no Brasil que fazem parte da classe média, mas se reconhecem como elites. Atualmente, há um processo de empobrecimento e aumento dos casos de fome entre a população brasileira. Reconhecer nossa posição social na sociedade é, além de um desafio, um primeiro passo para questionar a desigualdade presente no Brasil e suas origens coloniais.

Eu, Francileuda, no exercício da profissão, enquanto docente e psicóloga, sinto-me convidada a romper com os padrões de poder que levam a opressão entre as classes. Eu sei que preciso começar a questionar meu lugar na sociedade. Reconhecer meu lugar de privilégios me possibilita compreender que às vezes tenho pensamentos baseados na meritocracia, mas que são pensamentos inculcados pelas elites coloniais para não questionarem seus lugares permanentes de privilégio ao longo do tempo. Eu, James, reconheço que meus privilégios vinculados a branquitude e a masculinidade. Eles me ajudaram a conquistar um emprego como professor universitário baseado na manutenção das desigualdades raciais, sociais e de gênero. No entanto, eu me sinto impelido a construir uma atuação que questione esses privilégios e busque romper com essas estruturas desiguais.

Nós acreditamos que reconhecermos nossos privilégios pode estar relacionado ao fato que viemos de famílias situadas nas classes baixas. Nós lembramos das nossas situações de privação nos períodos de infância, adolescência e início da vida adulta. Nós conseguimos acessar o Ensino Superior, porque o Sistema Superior no Brasil é gratuito. Assim, trilhamos um movimento desafiante de (des)aprendizagem, de (des)construção do lugar de privilégio a que temos acesso. Nesta trajetória, nos implicamos com o lugar de pesquisador e pesquisado e nos lançamos no desafio de entender nossa branquitude e nossa classe social de forma crítica como aponta historiador brasileiro Lourenço Cardoso em O Branco Ante a Rebeldia do Desejo: Um Estudo sobre o Pesquisador Branco que Possui o Negro como Objeto Científico Tradicional.

Assim, nós buscamos desenvolver pesquisas com elites e classes médias no Brasil para dissecar esses desejos meritocráticos, de necessidade de ser servido e de uma compulsão por acumulação e por exposição. Assim, com essas informações podemos apresentar para nossos pares das classes mais altas uma estratégia de romper esse pacto narcísico das classes médias de não serem questionadas e de terem suas conquistas reconhecidas como esforço individual.

James Moura Jr., Ph.D. in Psychology at Federal University of Rio Grande do Sul, Brazil, is white working-class and subversively situated in a position of the elite in Brazil. He is a CNPQ Productivity Fellow and a professor at University for International Integration of Afro-Brazilian Lusophony and at the Postgraduate Program in Psychology at Federal University of Ceará. 

 

Francileuda Farrapo Portela, Ph.D. candidate in Psychology at the Federal University of Ceará, is white working-class and a questioner of privilege. University professor in the city of Tianguá at the Faculdade Ibiapaba (FACIBI).

James Moura Jr., Doutor em Psicologia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, é branco da classe trabalhadora e subversivamente situado em posição da elite no Brasil. Bolsista Produtividade do CNPQ e professor na Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-brasileira e no Programa de Pós-graduação em Psicologia da Universidade Federal do Ceará. 

 

Francileuda Farrapo Portela, Doutorando em Psicologia pela Universidade Federal do Ceará, é branca da classe trabalhadora e questionadora dos privilégios. Professora universitária na cidade de Tianguá na Faculdade Ibiapaba (FACIBI).

Related Articles

Editor’s Letter

Editor's Letter Upstairs, Downstairs (and In-Between)When Argentine biologist Otto Solbrig was interim DRCLAS faculty director many years ago, he commented more than once that ReVista did not feature enough photos of middle-class people.  I tried to respond to his...

Paid Domestic Workers, Women and Democracy

Paid Domestic Workers, Women and Democracy

I first visited Peru in 1995 as a graduate student and junior member of a Latin American Studies Association delegation to examine the state of democracy in that country on the…

Invisible Commutes

Invisible Commutes

English + Español
Belén García, a Colombian domestic worker, wakes up at five in the morning every day in her home in the chilly mountains of southeastern Bogotá. After taking a shower, she dresses in several…

Print Friendly, PDF & Email