Travels and Science in Brazil

Charles Darwin, Louis Agassiz, and William James

by | May 15, 2009

A wedding portrait of charles darwin painted by george richmond. Photo courtesy of Houghton Library, Harvard University.

 

The Year of Darwin is barely under way, and among the avalanche of events and publications commemorating this great scientist’s life and works, a recent book has established itself as a notable reference: Darwin’s Sacred Cause. Race, Slavery, and the Quest for Human Origins. A biography that is both comprehensive and refreshing, this book constitutes a tour de force in establishing the deepest motivations that inspired Darwin to pursue the task of his life, the patient and systematic testing of conjectures about the process that came to be known as natural selection. Throughout the nearly 500 pages of this massive study, authors Adrian Desmond and James Moore profoundly revise our understanding of Darwin, demonstrating that the naturalist’s trajectory had solid roots in the context of abolitionist movements in England and the United States, with ramifications in the campaigns to eradicate the slave trade to South America and in the emergence of concepts claiming the racial inferiority of Africans, including the rise of a creationist polygenist theory. In rejecting interpretations anchored in the purportedly neutral and socially independent character of scientific thought, Darwin’s Sacred Cause consolidates a view of the history of science in the nineteenth century that recovers the intrinsic links between science and race in the age of abolition.

While this approach may be new in studies on Darwin, several other nineteenth-century naturalists did not escape from having their research carefully scrutinized, their methods (or lack thereof) reenacted and often demolished, their political ties and ideological convictions laid bare. One of them was Louis Agassiz, the omnipresent Swiss naturalist who moved to the United States in the 1840s and became not only one of the leading exponents of American natural science but also one of the defenders of polygenism, or pluralism, a doctrine holding that different human races had been created by God to inhabit the different zoological provinces of the earth, and of hybridism, which considered race mixture the cause of degeneration. He has been and continues to be the subject of many studies (even Desmond and Moore include a chapter titled “Oh! For shame Agassiz!”). The novelty of Darwin’s Sacred Cause lies in its effort to show that not only bad scientists—reactionaries, clergymen, idealists or racists—remained prisoners of their convictions, but that good science was also rooted in the historicity of concepts and in the social issues of its time. In the case of mid-nineteenth-century natural science, the basic question underlying the work of these scholars was firmly grounded in the issues of slavery, abolition, and the fate of Africans and persons of African descent in the Americas.

With a wealth of details, the book shows how young Charles Darwin, who grew up in a family with strong abolitionist sentiments and harbored deep convictions with respect to the injustices of slavery, experienced the critical years of the rise of abolition mulling over ideas about the brotherhood of man, ideas decidedly bound to his belief in the common origin of all species. Rather than reassert Mosaic anthropology or express religious dogmatism based on Genesis, Darwin restructured the unitarist-monogenist hypothesis through scientific observation and experimentation, establishing a scientific protocol in the modern sense of this term.

This was not an easy path to follow, since in the 1840s and 1850s a powerful opponent, Louis Agassiz, at Harvard University’s Museum of Comparative Zoology, seemed capable of crushing any argument that failed to subscribe to a new creationist science. This new version sought to adjust ideas about the age of the earth and descent from a single couple in order to assert a theory of polygenism, to the delight of Southern slaveholders, who at that point clung dearly to the increasingly debilitated institution of slavery. Comfortable with the theory on the diversity of human races, Southern slaveholders became more at ease not only to defend slavery but also to dream of projects aiming to expatriate persons of African descent to tropical lands, where they would be resettled in their “natural habitat,” tutored by colonization companies, and subjected to a system of apprenticeship for producing primary goods at low cost. It should be noted that these expatriation projects—ranging from Liberia to the colonization projects eyeing the occupation of the Amazon—gained support from individuals both in the South and the North, including Abraham Lincoln, who established in 1862 a special commission to deal with the voluntary emigration of African Americans.

Between the 1830s and 1860s, significant battles involving naturalists—including idealists, proponents of the Biblical interpretations on the age of the earth, of the deluge or of glaciation, defenders of monogenism or polygenism—militant abolitionists, and ideologues defending slavery or apprenticeship, found the tropical regions of South America to serve as a sort of laboratory, with the Brazilian Empire becoming the most significant battlefield for the naturalists’ different positions and solutions for the racial issue. Brazil had become an independent monarchy in 1822 through the maintenance of the Bragança dynasty, a strategy that placed the young empire on the countercurrent within the turbulent context of Spanish American republics.

This strategy also guaranteed the continuity of slavery and control over a predominantly mestiço free population, which made the country the tropical Eden of amateur and professional naturalists’ dreams. Young Darwin, during his journey around the world on the Beagle between 1831 and 1836, stayed in Brazil on two occasions, affording him the opportunity both to observe the wealth of tropical nature and to reflect upon the terrible ills of slavery. Darwin’s trips to Brazil coincided with the period in which British ships began to patrol the coast in an effort to repress the landing of Africans after the 1830 treaty proscribed the slave trade, a treaty that Brazilians chose to ignore, as the authorities went through the motions of discouraging the trade while in effect protecting the slave business (the popular expression para inglês ver—to fool the English, or just for show—comes from this situation). Darwin came to know the worst aspects of slavery intimately: the illegal trade conducted openly; the drowning of captives to avoid the seizure of slave ships or to avoid the costs of returning the illegal captives to Africa. The Beagle Diary includes passages revealing Darwin’s strong revulsion of slavery:

On the 19th of August we finally left the shores of Brazil. I thank God, I shall never again visit a slave-country. To this day, if I hear a distant scream, it recalls with painful vividness my feelings, when passing a house near Pernambuco, I heard the most pitiable moans, and could not but suspect that some poor slave was being tortured, yet knew that I was as powerless as a child even to remonstrate. I suspected that these moans were from a tortured slave, for I was told that this was the case in another instance. Near Rio de Janeiro I lived opposite to an old lady, who kept screws to crush the fingers of her female slaves. I have staid in a house where a young household mulatto, daily and hourly, was reviled, beaten, and persecuted enough to break the spirit of the lowest animal.  I have seen a little boy, six or seven years old, struck thrice with a horsewhip (before I could interfere) on his naked head, for having handed me a glass of water not quite clean; I saw his father tremble at a mere glance from his master’s eye…

In addition to such horror stories, Darwin also commented on his encounters with blacks and mestiços. These anecdotes show an effort to understand the social situation in terms that at times were pleasant and even amusing. On an excursion on the outskirts of Salvador in Bahia, Darwin found himself surrounded by a boisterous group of black men, women, and children who showed a great deal of curiosity towards his research instruments, which they seemed to consider diabolical in nature. Rather than show irritation or condescension, as many other travelers would, Darwin commented on the “excellent manners” of the group, and concluded: “It is my firm belief, no Dutchess with three tails could have given such courtlike & dignified bows as the black women saluted me with”.

Darwin’s opponent, Harvard scientist Louis Agassiz, also traveled to Brazil, when he led the Thayer Expedition in the mid-1860s. Although the slave trade had come to an end, slavery continued to flourish at this time, rapidly expanding into the coffee-growing region of southeastern Brazil. Like Darwin, Agassiz also visited the coffee plantations surrounding Rio de Janeiro, spent time in the northeast, and stayed in major cities with their bustling slave populations. The journal from that trip, A Journey in Brazil, although written by Elizabeth Cary Agassiz, clearly follows Louis Agassiz’s orientation. Throughout its more than 500 pages, the narrative includes many comments on slavery in Brazil, all of them in a positive tone: in the couple’s estimation, slavery corrupts slave owners more than slaves; the heavy and inhuman tasks forced on urban slaves tended to disappear as it became clear that slavery itself was coming to an end; the Emperor, with his humanistic sentiments, would eliminate the institution with the stroke of his pen. Interspersed with the many blushing justifications for the maintenance, albeit temporary, of slavery, other comments by Agassiz get right to the point: because of their racial inferiority or their servile status, blacks should not live with whites. Furthermore, amalgamation or miscegenation – a term coined in 1864 in the pamphlet Miscegenation: the theory of the blending of the races, applied to the American white or negro, which defended race mixture, although critics soon adopted this expression to oppose it – were considered to be nefarious, and Agassiz could see their results in the Brazilian national character:

Another feature which makes a painful impression on the stranger is the enfeebled character of the population … It is not merely that the children are of every hue; …. But here this mixture of races seems to have had a much more unfavorable influence on  the physical development than in the United States. It is as if all clearness of type had been blurred, and the result is a vague compound lacking character and expression. This hybrid class, although more marked here because the Indian element is added, is very numerous in all cities and on the large plantations,….

A comparison of Darwin’s and Agassiz’s observations reveals their profound differences. According to Professor and Mrs. Agassiz, Brazil had produced an unparalleled spectacle in its tolerance of race mixture, affording the naturalist a clear glimpse at the horrors of a long process of intercourse that had blurred the lines between “pure” races – whether white, black, or indigenous – creating a situation in which people “as repulsive as mongrel dogs” were to be found everywhere. In one passage from A Journey in Brazil, the problem of amalgamation between “the different species of the human family” receives explicit mention:

The natural result of an uninterrupted contact of half-breeds with one another is a class of men in which pure type fades away as completely as do all the good qualities, physical and moral, of the primitive races, engendering a mongrel crowd as repulsive as the mongrel dogs, which are apt to be their companions, and among which it is impossible to pick out a single specimen retaining intelligence, the nobility, or the affectionateness of nature which makes the dog of pure type the favorite companion of civilized man.

Drawing inspiration from such convictions, Agassiz established a controversial Bureau d’Anthropologie in Manaus, capital of Amazonas province. The Bureau served the purpose of documenting differences between “pure” and “mixed” races. Since the Brazilian population exhibited a high degree of miscegenation, it provided an ideal laboratory to study the consequences of different types of mixture in the constitution of individuals. Intending to illustrate the composition of the Brazilian population, Agassiz first requested Augusto Stahl, a professional photographer based in Rio de Janeiro, to assemble photographs of Africans in the city, classified by Agassiz as “pure racial types.” This resulted in two sets of photographs: portraits and scientifically oriented physiognomic studies of African ethnic types, although it also included photos of some Chinese living in Rio de Janeiro. All the subjects in the physiognomic set appear nude and in fixed positions (front, back, and profile). A third series of photographs was produced in a makeshift studio in Manaus, for which one of the student members of the expedition, Walter Hunnewell, served as photographer. This set documented “mixed” or “hybrid” Amazonian “racial types.”

A generation behind Darwin and Agassiz, William James was only twenty-three years old and in the second year of his studies at Harvard University’s Medical School in 1865. As soon as he learned that Agassiz was preparing a research expedition to Brazil, James signed on to the project as a volunteer collector, the trip to be covered at his own expense. As a student and assistant to Agassiz, James was already quite familiar with the discussions that pitted his mentor against Charles Darwin and his followers, and proved much more sympathetic towards the theory of evolution than the creationism espoused by the expedition leader. Going somewhat against the grain of contemporary travel writing, James’s writings on the region – letters, diaries, and drawings – show a particular empathy in his descriptions of life in the tropics, in contrast with the views espoused by the expedition’s leader, Louis Agassiz, whose political and ideological beliefs included racist theories of hybridism and the deleterious effects of race mixture. Here, once again, family background appears to have been decisive: not only was his father, Henry James Sr., an eccentric thinker, a follower of Swedenborg and Fourier, as well as a believer in antislavery ideas, but also he enrolled two sons, following Emerson’s advice, in the Sanborn School of Concord MA, which proposed a clearly abolitionist orientation. These influences had resulted in the engagement of both sons with the pioneer African American regiments that fought in the Civil War. William James, for his part, avoided fighting in the war, having preferred to enlist in the Thayer Expedition. His stay in Brazil certainly was marked by a constant anxiety in relation to the war and its consequences following Confederate surrender at Appomattox. His observations and contact with people refer to the broader issue of race, as James developed a distinctive view on mestiços, so maligned in Agassiz’s hybridism.

I marvelled, as I always do, at the quiet urbane polite tone of the conversation  between my friends and the old lady. Is it race or is it circumstance that makes these people so refined and well bred? No gentleman of Europe has better manners and yet these are peasants.

James noted the same cultural refinement and delicate manners governing his mestiço boatman’s family, as Sr. Urbano not only guided the American student on his last collecting forays but also put him up for a few days. Upon arrival, James encountered two cafuzo (mixed-blood of African and Indian descent) women, smoking their pipes and chatting as they squatted over a rug in Amazonian fashion. Without making any derisive, picturesque, or derogatory comments, he wondered how the local people could spend hours and hours in a position that seemed so uncomfortable to foreign visitors, as they seemed more like “naked skeletons” than flesh-and-blood. A few days later, already accustomed to the family, James observed:

I now feel perfectly domesticated in this place & with these people. Never were there a more decent worthy set of gentry. Old Urbano especially, by his native refinement, intelligence and a sort of cleanliness and purity is fit to be the friend of any man who ever lived, how elevated his birth & gifts. There is not a bit of our damned anglo saxon brutality and vulgarity either in masters or servants. I am always reminded when the neighbors come in to visit Urbano of our family & the Tweedy family at Newport. Urbano & his gossips talk with just as much beauty & harmony or perhaps a good deal more than Tweedy & Father did, in an easy low slow tone as if all eternity was before them. I have never heard any swearing or any hyperbole or far fetched similes or extravagant jokes or steep piled epithets or chaffing such as we yankees delight in.

Much closer to Darwin’s position than to that of Agassiz, William James’ writings reveal his ability to recognize the humanity and appreciate the qualities of populations seen as incomprehensible beyond the picturesque mode. In the final analysis, empathy seems to be the most remarkable quality of James’ writings in Brazil, a quality that sustained a prolonged reflection on the relativism of human belief. This quality also finds echo in Darwin’s notes on the tropics and on the blacks andmestiços who made up the majority of the population he observed. In effect, the travel writings of these great thinkers seem to suggest that simple feelings could make all the difference.

 

 

Viagem e Ciência no Brasil

Charles Darwin, Louis Agassiz e William James

By Maria Helena P. T. Machado 

Apenas iniciado o ano de Darwin, com sua promessa de enxurradas de  eventos  e lançamentos alusivos à vida e obra do mestre que com sua Origem das Espécies revolucionou não apenas a ciência mas toda a nossa visão de mundo, o recém-lançado Darwin’s Sacred Cause: Race, Slavery and the Quest for Human Origins já se consolidou como marco definitivo. Apresentando tão exaustivo quanto renovado estudo da biografia de Darwin, este livro propõe um tour de force em nossa na compreensão a respeito dos mais profundos motivos que inspiraram o mestre a persisitir na tarefa que consumiu sua vida, testando com paciênca e sistemática  irrepreensível  suas conjecturas a respeito do que denominamos a seleção natural. Ao longo de um alentado estudo de quase 500 páginas, Adrian Desmond e James Moore, ao firmemente enraizarem a trajetória do naturalista no contexto da ascensão dos movimentos abolicionistas dos anos de 1830 na Inglaterra e nos Estados Unidos, com seus desdobramentos  nas campanhas de cessação do tráfico de escravos na América do Sul, na emergência dos conceitos racializados de inferioridade dos africanos que culminaram com a emergência da teoria da poligenia, revolucionam nossa compreensão sobre Darwin.  Darwin’s Sacred Cause consolida uma abordagem da história da ciência do XIX a qual, rejeitando as interpretações ancoradas nas qualidades neutras e socialmente desvinculadas do pensamento científico, recupera os laços vicerais entre ciência e raça nesta era de abolições.

Se há algo que se poderia acrescentar à visão desenvolvida em Darwin’s Sacred Cause, é que esta  já era uma abordagem  bem estabelecida com relação a muitos naturalistas do XIX, os quais  não escaparam de ter suas pesquisas cuidadosamente escrutinadas, seus métodos – ou a falta deles – reencenados e, muitas vezes, demolidos, suas ligações políticas e ideológicas desvendadas.  Louis Agassiz, o onipresente naturalista suíço, que emigrado para os EUA em meados da década de 1840, se tornou tanto um dos maiores empreendedores  da ciência naturalista norte-americana quanto um dos pais do poligenismo – ou pluralismo,  teoria que defendia que as diferentes raças humanas haviam sido criadas por Deus para habitar diferentes províncias zoológicas da terra – e do hibridismo – que condenava a amalgamação racial entre as diferentes raças como produtora da degeneração –  já foi objeto de dezenas de estudos deste tipo e ainda continua a sê-lo (Desmond e Moore, por sinal, apresentam um capítulo intitulado “Oh! For shame Agassiz!” ). A novidade de Darwin’s Sacred Cause seria apontar que não apenas os maus cientistas – conservadores, religiosos, idealistas ou racialistas – são presas de suas crenças, mas que boa ciência também se enraíza na historicidade dos conceitos e nas questões sociais  do mundo vivido. E, no caso específico do naturalismo dos meados do XIX, a questão de fundo de todos os estudiosos  estava firmemente ancorada na  escravidão, nas abolições e no destino dos africanos e afrodescendentes nas Américas.

Documentando com espantosa riqueza de detalhes como o jovem Charles Darwin, proveniente de uma família  de fortes raízes abolicionistas e imbuído ele próprio de uma profunda crença na injustiça da escravidão, atravessou os anos críticos da ascensão dos abolicionismos remoendo suas idéias a respeito da irmandade de todos os homens, atando decididamente suas hipóteses à crença na origem única de todas as espécies.  Longe de reafirmar a antropologia mosaica e o dogmatismo religioso do Gênesis, Darwin reformatava a hipótese unitarista-monogenista pela via da observação científica e da experimentação, estabelecendo os protocolos da ciência no sentido contemporâneo do termo. Via difícil e tortuosa, já que nas décadas de 1840 e 1850 um poderoso oponente, Louis Agassiz,  baseado no Museum of Comparative Zoology da Harvard University, parecia ser capaz de esmagar qualquer argumento que não viesse edulcorado pelas cores de uma nova ciência criacionista. Esta propagandeava a si própria como capaz de não se dobrar aos velhos dogmas da antiguidade da terra e da difusão do par original, para afirmar a poligenia, agradando senhores de escravos sulistas, que àquela altura aferravam-se à cada vez mais debilitada instituição da escravidão. Tendo suas consciências apaziguadas pela idéia da diversidade das raças humanas, os senhores sulistas se sentiam tranquilizados tanto para defenderem  a manutenção da escravidão quanto para sonharem com projetos de expatriação dos afrodescendentes para cinturões tropicais aonde realocados em seu “habitat natural”, tutelados por companhias de colonização e mantidos sob o sistema de aprendizagem, os libertandos poderiam produzir bens comerciáveis a baixo custo. Note-se que os projetos de expatriação dos afrodescendentes dos EUA para zonas tropicais – da Libéria aos projetos de ocupação da Amazônia por companhias de colonização nas décadas de 1850 e 1860 – granjearam adeptos no sul e no norte dos EUA, chegando Lincoln,  em 1862, a criar uma comissão especialmente designada para tratar da emigração voluntária de afroamericanos.

As significativas batalhas esgrimidas nas décadas de 1830 a 1860 por naturalistas –  idealistas,  defensores da interpretação bíblica da idade da terra, do dilúvio ou da glaciação, da monogenia ou da poligenia –  por  militantes abolicionistas, pelos ideólogos da escravidão ou da tutela, tiveram como laboratório as regiões tropicais da América do Sul, tendo se tornado o império brasileiro o mais significativo campo de batalha no qual se defrontaram as diferentes teorias naturalistas com suas soluções para o problema da raça. O Brasil, tornado independente em 1822 por meio da manutenção da monarquia bragantina, estratégia que havia colocado o jovem império na contra-corrente das instabilidades das repúblicas hispano-americanas, assegurando  a continuidade da escravidão e o controle de sua majoritária população livre mestiça, transformou-se no paraíso tropical sonhado por todos os naturalistas amadores e profissionais. O jovem Darwin , que embarcado no Beagle realizou, entre 1831 e 1836 uma volta ao  mundo, esteve no Brasil por duas vezes, ocasiões aproveitadas tanto para observar a riqueza da natureza tropical quanto para refletir sobre os terríveis males da escravidão. Permanecendo no Brasil exatamente no período em que a Inglaterra passava a patrulhar a costa brasileira com objetivo de reprimir o desembarque de africanos ilegalmente traficados,  cuja proibição  passava a vigorar a partir de 1830, como rezava o tratado o qual o Brasil teimava em desconhecer , fazendo uma vigilância pro-forma e interesseira nos crescentes negócios do tráfico ( a expressão “Para inglês ver” foi cunhada nesta época para exprimir esta situação), Darwin acabou por conhecer na intimidade as piores faces da escravidão: tráfico ilegal realizado em condições abjetas,  afogamento dos transportados para evitar  a apreensão do navio ou para para poupar os custos da viagem de volta a África no caso dos retornados.  ODiário de Beagle contêm algumas passagens que expressam a definitiva rejeição de Darwin a escravidão:

Aos 19 de agosto, nós finalmente deixamos as costas do Brasil. Eu agradeceria a Deus se eu nunca mais tivesse que visitar um país escravista. Até os dias de hoje, quando escuto um grito distante, record-me  com dolorosa vividez dos sentimentos que tive quando passando por uma casa dos arredores de Pernambuco, escutei os mais terríveis gemidos, não podendo nada fazer além de desconfiar de que algum pobre escravo estava sendo torturado, sabendo ainda que eu me encontrava tão desprovido de poder quanto uma criança, para reagir à situação. Eu suspeito que aqueles lamentos vinham de um escravo torturado, isto porque fui informado que era este o caso em outra situação semelhante. Perto do Rio, eu vivia em frente a uma velha senhora, a qual possuia um torno (anjinho)  para esmagar os dedos de suas escravas. Eu me hospedei  em uma casa na qual um jovem pagem mulato, diariamente e  a todas as horas, era insultado, espancado e perseguido tão brutalemnte que, mesmo o animal mais vil teria tido seu espírito quebrado.  Eu vi um menininho, de 6 ou 7 anos de idade, ser (antes que eu pudesse intervir)por duas vezes espancado na cabeça nua por um  chicote de montaria, por ter me oferecido um copo de água não perfeitamente limpo; eu vi seu pai tremer frente a um mero olhar do  senhor…” (tradução minha do original).

Além destas terríveis passagens, surgem, aqui e ali, ao longo das anotações do Diário de Beagle no Brasil,  comentários  sobre os contatos do jovem naturalista com negros e mestiços, nos quais o que se sobressai não é um juízo rígido a respeito da raça, mas sim  o esforço, as vezes  simpático e divertido,  de deixar-se levar, em busca de compreender a situação social no qual ele se encontrava.  Passeando pelos arredores de Salvador, Bahia, Darwin vê-se cercado por um barulhento grupo de homens, mulheres e crinças negras, curiosos a respeito de seus instrumentos de pesquisa, os quais o grupo parecia considerar como coisa do diabo. Sem irritação ou condecendência, Darwin, comenta a respeito dos “excelentes modos” do grupo, arrematando, “tenho a firme crença de que nenhuma duquesa com vestidos de três caudas teria feito reverências tão dignas e corteses quanto aquelas com que me saudaram as negras”.

O oponente de Darwin, Louis Agassiz, liderando a Expedição Thayer,  também esteve no Brasil,  na década de 1860, momento no qual, embora o tráfico de escravos internacional estivesse definitivamente fechado, a escravidão continuava florescente, viabilizando a expansão das áreas cafeeiras ao sudeste do império. O casal Agassiz – assim como Darwin – visitou tanto os arredores do Rio de Janeiro quanto fazendas cafeeiras flumineneses, dirigiu-se igualmente para o nordeste, hospedando-se nas principais cidades escravistas brasileiras.  O diário desta viagem,  Viagem ao Brasil, embora redigido por Elizabeth Agassiz, segue claramente a orientação de Louis Agassiz. Ao longo de suas 500 e tantas páginas se encontram  muitos comentários sobre a escravidão no país, todos visivelmente amenos: a escravidão, segundo o casal, corrompe mais os senhores do que os escravos, já os trabalhos pesados e desumanos , realizados por escravos nas cidades,  vinham desaparecendo na mesma medida em que a certeza de que a escravidão estaria com seus dias contados (portanto, bastava esperar por seu destino final), o Imperador, por seus sentimentos humanistas, acabaria com a instituição de uma só penada, se assim pudesse. Em meio a estas muitas justificativas  envergonhadas que amparavam a  manutenção, ainda que temporária da escravidão, muito comuns ao período, encontram-se passagens da pena dos Agassiz que vão direto ao ponto: os negros, por sua inferioridade racial ou status servil, não devem conviver com os brancos, a amalgamação ou miscigenação ( termo que embora tenha surgido em 1864, no panfleto Miscegenation: The theory of the blending of the races, applied to the American white and negro, em defesa da mistura das raças, foi logo apropriado por seus detratores) são extremamente nefastas, podendo seus resultados serem observados no caráter nacional brasileiro:

Outra particularidade que impressiona o estrangeiro é o aspecto de depauperamento e fraqueza da população . . . Já não é que se trate apenas do fato de se verem crianças de todas as cores . . . Mas é que no Brasil essa mistura parece ter tido sobre o desenvolvimento físico uma influência muito mais desfavorável do que nos Estados Unidos. É como se toda a pureza do tipo houvesse sido destruída e resultasse um composto vago, sem caráter e sem expressão. Essa classe híbrida, ainda mais marcada na Amazônia por causa do elemento índio, é numerosíssima nos povoados e nas grandes plantações…

A comparação das observações de Darwin e  Agassiz  a respeito das mestiçagens no Brasil sublinha as profundas diferenças entre ambos. Segundo o casal Agassiz, por tolerar a mistura de raças, o Brasil havia produzido um espetáculo inigualável à observação do naturalista, no qual este poderia facilmente vislumbrar  os horrores de uma longa e inextricável mestiçagem, que havia borrado qualquer limite entre as raças puras – fossem elas a branca, a negra ou a indígena – gerando uma situação  nas quais seres “repulsivos como cachorros vira-latas”  eram encontrados em todas as partes. Em passagem de  A Viagem ao Brasil, o problema da amalgamação as “entre as diferentes espécies da família humana”  é claramente abordado:

A consequência  natural de ininterruptas alianças entre pessoas de sangue misturado é uma classe de indivíduos em que o tipo puro desaparece completamente assim como todas as  qualidades físicas e morais das raças primitivas, produzindo mestiços tão repulsivos como cachorros vira-latas, os quais estão aptos para ser a companhia destes e  entre os quais não se descobre um único indivíduo que tenha  conservado a inteligência, a nobreza e afeição natural que fazem do cão de pura raça o companheiro predileto do homem civilizado.(tradução minha direto do original)

Inspirado em tais certezas, Agassiz, em Manaus(capital  da então província do Amazonas), estabeleceu o discutível Bureau d’Anthropologie que tinha como objetivo documentar as diferenças entre as raças puras e mistas existentes no Brasil.  Segundo o cientista, a população brasileira, marcada como era por um alto índice de miscigenação, tornava-se um laboratório ideal para o estudo das conseqüências dos diferentes tipos de cruzamento na constituição dos indivíduos. Com o objetivo de ilustrar o perfil da população brasileira, Agassiz inicialmente encomendou a Augusto Stahl, fotógrafo profissional com casa comercial na cidade do Rio de Janeiro, uma série de fotografias de africanos, classificados por Agassiz como “tipos raciais puros”. O resultado desta iniciativa se materializou em duas séries de fotografias, uma na forma de portraits e uma segunda composta de fotografias de caráter científico fisionômico de tipos étnicos de negros e negras do Rio de Janeiro, mas incluindo na seqüência também alguns chineses que viviam na cidade. Note-se que todos os figurantes da seqüência fisionômica aparecem nus e em três posições fixas (de frente, de costas e de perfil). Uma terceira série de fotografias foi realizada em Manaus, tendo como fotógrafo um dos integrantes da expedição, Walter Hunnewell, e documentou os tipos mistos ou híbridos amazônicos.

William James, uma geração mais jovem do que Darwin e Agassiz,  tinha 23 anos e iniciava seu  segundo ano de estudos na Escola de Medicina da Universidade de Harvard. Ao tomar conhecimento de que um de seus professores prediletos, Louis Agassiz, então diretor do Museu de Zoologia Comparada preparava uma viagem de pesquisas ao Brasil, James alistou-se ao projeto, embarcando na qualidade de coletor voluntário, financiando sua participação às próprias custas. Tratava-se, para James, de uma viagem educativa, nos moldes então consagrados para os jovens das elites norte-americanas, ao mesmo tempo em que a oportunidade de ausentar- se do país permitia que ele refletisse sobre suas ambivalências profissionais. Como aluno e assistente de Agassiz, James estava bem a par das discussões que opunham seu mentor a Charles Darwin e seus seguidores, dirigindo suas simpatias muito mais à teoria da evolução do que ao criacionismo defendido pelo primeiro. Indo contra a corrente do momento, os registros de James sobre o Brasil  – cartas, diários e desenhos –  são peculiarmente empáticos, colidindo com a visão do mentor da viagem, Agassiz, cuja posição política e ideológica o vinculava aos defensores do racismo e das teorias da degeneração pelo hibridismo. Aqui, mais uma vez, a formação familiar parece ter sido decisiva:  não   apenas Henry James Sr., excêntrico pensador, seguidor de Swedenborg e Fourier, esposava crenças anti-escravistas, como por influência de Emerson, havia enviado seus dois filhos mais novos para o Sanborn School em Concord, MA, de orientação claramente abolicionista. Tais influências haviam resultado no engajamento de ambos os filhos mais novos nos pioneiros batalhões compostos por  afrodescendentes.  Embora William tivesse se furtado a lutar na guerra civil, tendo,  de certa forma, preferido alistar-se na Thayer Expedition, sua passagem pelo Brasil esteve, com muita certeza, orientada pela sua constante ansiedade com relação aos destinos da guerra e de suas consequências após a rendição confederada em Appomattox. Suas observações e relações sociais com pessoas enquadráveis  no problema da raça mostram que James desenvolveu uma visão distinta com relação aos mestiços, vistos de maneira tão deletéria pelas teorias do hibridismo esposadas por Agassiz.

Fico imaginando, como sempre faço, frente ao tom urbano e polido das conversas entre meus amigos e a velha. Seria a raça ou as circunstâncias que fazem estas pessoas tão refinadas e bem educadas? Nenhum cavalheiro da Europa tem mais polidez e, ainda assim, estes são camponeses.

O mesmo refinamento cultural e delicadeza de sentimentos James encontrou na convivência com a família do barqueiro cafuzo —o muito citado sr. Urbano —que o conduziu em uma de suas últimas expedições de coleta e que, além disso, hospedou James em sua casa por alguns dias. Logo à chegada, nada mais estranho, James se deparou com duas mulheres cafuzas, que pitavam seus cachimbos enquanto conversavam acocoradas sobre um tapete, no qual encontrava- se e uma rede semi-acabada. No entanto, não vemos escapar de seus registros nenhum tom divertido, pitoresco ou depreciativo. Pelo contrário, a questão de James era entender como as pessoas locais podiam manter-se horas e horas em uma postura tão desconfortável para estrangeiros, parecendo serem elas “esqueletos nus” e não figuras de carne e osso. Dias depois, já bem aclimatado à família, comentou James:

Eu me sinto agora perfeitamente domesticado neste lugar & com estas pessoas. Nunca houve uma classe de pessoas mais decente do que estas. O velho Urbano, especialmente, por seu refinamento nativo, inteligência e espécie de limpeza e pureza é talhado para ser amigo de qualquer homem que exista, não importando quão elevado seja seu nascimento & bens. Não há nem uma gota de nossas almadiçoadas brutalidade e vulgaridade anglo-saxônicas, tanto nos senhores quanto nos servos. Eu sempre me recordo quando os vizinhos vêm visitar Urbano de nossa família & da família Tweedy em Newport. Urbano & seus companheiros conversam com tanta beleza e harmonia, talvez ainda a mais do que Tweedy & o Pai, em um tom suave, baixo e vagaroso, como se a eternidade estivesse à frente deles. Eu nunca escutei ninguém praguejar ou empregar palavras exageradas, metáforas improváveis ou gracejos exagerados ou um monte de epítetos cáusticos ou anedotas vexantes como as que fazem o divertimento dos ianques.

Mais próximos da posição de Darwin do que de Agassiz, os registros de William James revelam uma intensa capacidade de reconhecer a humanidade e apreciar as qualidades de populações vistas como incompreensíveis fora da chave do pitoresco.  No fim das contas, empatia parece ter sido a qualidade  mais marcante desenvolvida por William James no Brasil, aquela que foi capaz de sustentar uma longa reflexão a respeito do relativismo das crenças humanas. Qualidade esta que parece encontrar eco nas anotações de Darwin a respeito dos trópicos e dos negros e mestiços que compunham a maioria de sua população.  No fim das contas, os escritos de viagem destes grandes homens parecem sugerir que simples sentimentos  podem fazer toda diferença.

Spring 2009Volume VIII, Number 3

Maria Helena P. T. Machado is an Associate Professor of History at the University of São Paulo. She was a DRCLAS Visiting Scholar in 2003-2004. Her books include Brazil Through the Eyes of William James (DRCLAS/Harvard University Press, 2006). She thanks John Monteiro, who translated this article from Portuguese.

Maria Helena P. T. Machado é Professora Associada de História da Universidade de São Paulo. Ela foi uma bolsista visitante da DRCLAS em 2003-2004. Seus livros incluem Brazil Through the Eyes of William James (DRCLAS / Harvard University Press, 2006). Ela agradece a John Monteiro, que traduziu este artigo do português.

Related Articles

Other Cities, Other Worlds

Other Cities, Other Worlds

Author of a marvelous book that excavates the palimpsests of memories encrypted in the image-filled voids of Berlin, Andreas Huyssen extends his investigation of the urban imaginary in…

Print Friendly, PDF & Email