330x500 placeholder

About the Author

Patricia Auerbach is a graduate student at Harvard University, studying Human Development and Education with concentration Languages and Literacy. She is the founder of the Leve Historia movement and a renowned author, illustrator and literacy teacher trainer in Brazil. Her books have received numerous prizes including the FNLIJ Award for Best Picture Book and the Children’s Jury Prize in the 2015 edition of the Bratislava Illustration Biennial – BIB.

 

Safa Babikir is a graduate student at Harvard University, studying Education Leadership, Organizations and Entrepreneurship. She is a Teach for Qatar Fellow and Georgetown University alumna who has experience in regional and international youth leadership. She’s passionate about youth narratives in education and policy.

 

Patricia Auerbach and Safa Babikir are members of Futures of Education organization, an official Harvard Graduate School of Education organization focused on an interdisciplinary dialogue regarding the future of education. 

Sobre a Autora

Patricia Auerbach é aluna de pós-graduação na Harvard Graduate School of Education, onde estuda Desenvolvimento Humano e Educação, com foco em Linguagem e Letramento. Fundadora do movimento “Leve História”, Patrícia é também renomada autora, ilustradora e formadora de professores no Brasil. Seus livros receberam diversos prêmios, entre eles o FNLIJ Award como Melhor Livro Imagem e o Children’s Jury Prize, na edição de 2015 da Bratislava Illustration Biennial – BIB.

 

Safa Babikir é aluna de pós-graduação na Harvard Graduate School of Education, onde estuda Liderança, Organizações e Empreendedorismo na área de Educação. Professora da Qatar Fellow e ex-aluna da Georgetown University, Safa tem experiência em liderança juvenil regional e internacional, além de se dedicar a educação de jovens e a sua relação com as políticas públicas.

 

Patricia Auerbach and Safa Babikir são fundadoras do Futures of Education, uma organização oficial da Harvard Graduate School of Education, dedicada a promover diálogos interdisciplinares sobre o futuro da educação.

Leve Historia

The Power of Public and Private Schools Partnership 

by | Jan 27, 2022

This article was written in collaboration with Safa Babikir.


When I started the Leve Historia movement in March 2021, I could not imagine that we would end up giving more than 24,000 books to public school students without a signature or a penny. Leve Historia is a volunteer initiative and counts on educators, parents, and students from 36 private and public schools to promote literature and affection in São Paulo, Brazil. Our hope is to promote a new social contract rooted in shared values and collective culture. We aim at shifting the traditional narrative of siloed private and public schools by building bridges between them. Our experience is a perfect example of how the ideals presented by UNESCO’s report Reimagining our Futures Together A New Social Contract (2021), can become a reality through collaborative work at a local level.

Leve Historia started with a small group of children’s book authors and educators wanting to ensure reading access for students and promote student-teacher reconnection on their return to in-person education. At the time, São Paulo had spent more than a year with their schools closed and had not assessed the impact of the pandemic on children’s literacy skills. Still, due to their restricted access to books and computers, it was expected that underprivileged children would be strongly and disproportionately affected. Regaining their trust and interest in literacy would be a huge challenge for already exhausted teachers.

The book distribution idea started by collecting literature books from private school students and donating them to public school children.  After only two weeks of phone calls and emails trying to ignite the movement six highly skilled literacy specialists joined the initiative and more ambitious plans were set in motion. We knew that distributing books was not enough to help teachers bond with their students or convince them to read. We had to distribute stories with affection. From that point on, instead of campaigning for book donations, private schools started asking their students to choose their most special books to give to another reader together with a personal handwritten note explaining why that book had been chosen. The carefully written notes added value to the books and made them special to the eyes of the underprivileged children who received them.

Books being sorted for distribution in a private school in São Paulo.

In Jardim Lapena, Sao Paulo, one eight-year-old girl was  caught struggling to read the note on her new book where a boy her age had explained in crooked lines that the book had been read several times by his mom and that it helped him overcome a terrible fear of monsters. The girl carefully slid her finger  across the text to avoid missing words and when she was done reading she held the book tight against her chest the whole day in school. It was hard to tell if she was hugging the story because she cared about it or using it as an amulet to protect her from her own fears. But there was no doubt that the personal exchange of books had been a meaningful experience.

Building connections between public and private schools is not easy and we knew we would have to deal with a long history of prejudices from private and public schools towards one another. We needed volunteers that respected each other not only as individuals but also as professionals. Not only with words, but also with a truthful desire to build a movement collectively. We needed private school people that showed a natural interest in social justice and literacy. We looked for public school educators that had an evident passion for literature and an extraordinary capacity to overcome adversity with affection and creativity. Together, passionate private and public school educators could learn from each other, exchange experiences and design customized initiatives to promote literature in a way that responded to each community’s individual needs.

By May 2021 the group had about 30 volunteers divided into triads that counted on an experienced teacher’s trainer to serve as Leve Historia’s mediator, one representative from the private school, and one from the public school or community library. The triads used book distributions to connect students from different contexts with affection, pedagogical intention, and autonomy. One group promoted out-loud readings through zoom that gathered elite upper-scale white students and diverse community children to listen to volunteers readings. The initiative was a powerful first step on a long journey to bring quality literature for all and its impact was felt not only among kids. After one of these readings, one public school elementary teacher confessed that she did not read for her students because she thought she could not do it the right way. She said that after watching some readings she felt more confident to give out-loud reading a try and decided to look for her own way of reading for her students.

Leve Historia’s network has almost 50 active volunteers and many collaborators such as authors, illustrators, and storytellers participating in workshops, authors’ visits, and teacher training events in public schools. Since May, we have met remotely, along with the entire group, every week or two to exchange practices, expand the network and discuss the next steps. The triads meet according to their availability and the necessity of their work. The focus of the mediators is to guarantee a horizontal collaborative relationship between private and public school volunteers to build a sense of belonging and partnership that benefits both schools in the long term.

The experience of bringing together public and private school communities to work towards a common goal has impacted the participants and their institutions in a way that greatly surpasses our initial intentions. By listening to one another and getting to know each other’s work, public school educators have managed to gain respect from private elite school educators and families. Moreover, empowered public school educators have recognized the amazing value of their own work.

Used books given as affectionate gifts with notes from previous readers.

The experience with Leve História surfaced the urgency of a change in the culture of educational institutions. Private and public clusters cannot continue  to function as isolated entities. We cannot accept that those who can pay will have access to quality education and abundant literature while those who do not have the resources and count on public education as their only chance for a better future must conform with untrained teachers and poor access to books and digital media. Education has to evolve to adapt to a new reality, and all teachers should be brought to this conversation.

The collaboration and partnership among teachers, students, governments, researchers, and civil society are essential to building a new social contract for education (UNESCO, 2021). School can be the vector for change if teachers are given the opportunity to work in teams and build learning communities to exchange knowledge and help one another. It can be decisive to build a more equitable society, but 21st-century skills should be practiced among educators also. Teamwork, collaborative projects, and purposeful experiences have to be part of the community culture for everyone: teachers, families, and students.

Collaboration is not always easy. Leve Historia’s experience shows that some communities are not ready to blur the lines  between private and public. Some private schools have resisted the idea of having their students join public school students for in-person or online events fearing their families would not approve of the initiative. But Leve Historia has shown us that the most transformative experiences were exactly the ones that gathered private and public school students, teachers, and parents. These initiatives have proven to be the ones that build stronger connections and will most likely result in long-lasting collaborative projects among schools and communities.

It is a mistake to think that only poor schools can benefit from such a partnership. Some private schools, especially those where students have actively participated, have described their community’s desire to engage in socially relevant initiatives such as Leve Historia as an opportunity to discuss social disparities in a meaningful way. Elite school students who had a chance to visit the schools and meet the children that received their books  were surprised to learn that poor communities had so much interest in culture and literature. Public institutions, on the other hand, have been surprised by “rich schools” coming to visit their institutions and expressing their amazement towards public educators’ resilience and capacity to build creative solutions to common problems. The exchange of knowledge between both sectors affirms the collective influence social movements have in enacting meaningful change in their local communities.

Events, social media, book selection, and transportation have all been done by volunteers who believed in the power of collaborative work to fight for the right for literature for all. We found hope in being together; we built a community by listening to one another. Private elite school educators went to suburban community libraries for the first time and public school teachers were invited to visit top-ranked private institutions. It is hard to measure the impact of the experience on each volunteer, but many participants have said that participating in Leve Historia had been a transformative experience.

Weekly Leve Historia meeting on May 14, gathering authors, reading specialists, parents and teachers from public and private schools represented.

After all that Leve Historia has achieved, it seems clear that the greatest impact on schools  happened when the movement ignited a change in their culture. Private wealthy schools went from a place where they felt donating goods was enough to ease their consciousness to a place where they became part of the problem and decided to act to reverse social inequality. Public schools needed self-confidence and a voice to attract social attention and respect. Neither sector can resolve this if they go on working in silos. Leve Historia’s experience has shown how powerful and transformative their collaborative work can be.

Leve Historia has done a lot more than distribute books. We shared values and found common ground between public and private schools to act towards the right for literature for all. We gave books as presents, not leftovers, and exchanged hand-written personal letters between students of different backgrounds. Our work went far beyond the classroom and overcame socio-economic barriers bridging the gap of inequality. Leve Historia has shared the understanding of collective social responsibility and the agency of youth in building a better future through education. It showed that essential values such as cooperation and solidarity that have been defended by the UNESCO’s Futures of Education report are not just beautiful words. They can be a transformative reality if schools can blur their lines to look around and act together to build a better future for education and start the necessary changes in our society.

Leve História

O Poder da Parceria entre Escolas Públicas e Particulares

Por Patricia Auerbach

Este artigo foi escrito em colaboração com Safa Babikir.


Quando comecei o movimento Leve História em março de 2021, não podia imaginar que acabaríamos doando mais de 24 mil livros a alunos de escolas públicas sem precisar de nem mesmo um centavo ou qualquer assinatura pra selar parcerias. O Leve História é uma iniciativa voluntária que conta com educadores, pais e alunos de 36 escolas públicas e particulares, para promover literatura e afeto em São Paulo, Brasil. Nossa missão é promover um novo contrato social embasado em valores compartilhados e em uma cultura coletiva. Nosso objetivo é modificar as narrativas das escolas públicas e privadas isoladas umas das outras, através da construção de pontes duradouras entre elas. Nossa experiência é um ótimo exemplo de como os ideais apresentados pelo relatório da UNESCO Reimagining our Futures Together A New Social Contract (2021), publicado em Novembro de 2021, podem se tornar realidade através do trabalho colaborativo.

O Leve História começou com um pequeno grupo de autores e educadores preocupados em garantir o acesso à literatura e favorecer a aproximação entre alunos e professores na volta às aulas presenciais. Na época, as escolas de São Paulo estavam fechadas há mais de um ano por causa da pandemia e a avaliação do impacto desse longo período de afastamento no letramento infantil ainda não tinha sido feita. Ainda assim, por conta do acesso restrito a livros e computadores, já se esperava que crianças com baixo poder aquisitivo fossem desproporcionalmente afetadas. Reconquistar sua confiança e o interesse pela alfabetização seria um desafio enorme para professores já exauridos.

O movimento começou pela coleta de obras literárias de alunos de escolas particulares para doação a crianças de escolas públicas, mas com apenas duas semanas de telefonemas e emails, seis especialistas em letramento e leitura se juntaram à iniciativa permitindo ao Leve História traçar planos mais ousados. Sabíamos que a distribuição de livros não seria suficiente para ajudar professores a se relacionarem com seus alunos ou a convencê-los a ler. Precisávamos distribuir histórias com afeto. Para isso, ao invés de fazer campanhas para doações de livros, que poderia resultar na arrecadação de obras desinteressantes e em mau estado, as escolas particulares passaram a pedir aos alunos que escolhessem seus livros mais especiais para dar de presente a outro leitor. Além disso, as obras seguiam para a rede pública com uma mensagem pessoal manuscrita explicando por que aquele livro tinha sido escolhido. As cartas carinhosas davam um valor diferente aos livros, e faziam toda a diferença para quem os recebia de presente.

Livros sendo selecionados para distribuição em uma escola particular de São Paulo

No Jardim Lapena em São Paulo, uma menina de oito anos foi flagrada lendo a mensagem no seu novo livro, onde um menino da mesma idade explicava em linhas tortas, mas cheias de carinho, que aquela obra tinha sido lida várias vezes pela sua mãe e que, graças a ela, ele tinha vencido um terrível medo de monstros. A menina deslizou os dedos pelo texto com cuidado para não perder nenhuma palavra e quando terminou a leitura, segurou o livro apertado contra o peito durante todo o dia na escola. Era difícil saber se ela estava abraçando a história porque tinha gostado do enredo ou se usava o livro como amuleto contra seus próprios medos. Mas a cena não deixava dúvida de que a troca de livros tinha sido uma experiência carregada de significados.

A construção de conexões entre escolas públicas e particulares não é fácil e desde o começo sabíamos que seria preciso dissolver uma longa história de preconceitos entre as duas redes antes de tentar aproximá-las. Precisávamos de voluntários que se respeitassem, não apenas como indivíduos mas também como profissionais. Não podia ser só discurso, precisávamos de um desejo verdadeiro de construir coletivamente um movimento. Precisávamos de representantes das escolas particulares que demonstrassem um interesse genuíno por justiça social e letramento. Encontramos educadores de escolas públicas que tinham uma paixão evidente por literatura e uma capacidade extraordinária de superar adversidades com afeto e criatividade. Juntos, educadores engajados de escolas públicas e particulares puderam aprender uns com os outros, trocar experiências e criar iniciativas customizadas para promover literatura respondendo às necessidades individuais de cada comunidade.

Em maio de 2021, o grupo tinha em torno de 30 voluntários, divididos em grupos de três, sendo um formador de professores experiente que atuava como mediador do Leve História, um representante de escola particular e um de escola pública ou de biblioteca comunitária. Os trios usaram as distribuições de livros para conectar alunos de contextos diferentes com afeto, intenção pedagógica e autonomia. Um dos grupos, por exemplo, promoveu leituras em voz alta usando Zoom e reuniu numa mesma sessão alunos de uma escola particular num bairro nobre e crianças das comunidades do Jaguaré para ouvir as leituras de pais e professores voluntários.

O Leve História foi um passo importante na longa jornada para garantir literatura de qualidade para todos, e seu impacto foi sentido não apenas entre as crianças. Depois de uma sessão de leitura virtual, uma professora de escola pública confessou que não lia para seus alunos porque achava que não sabia ler da maneira certa, mas completou dizendo que, depois de assistir algumas leituras, já estava se sentindo mais confiante e pretendia encontrar sua própria maneira de ler em voz alta.

A rede Leve História tem agora quase 50 voluntários ativos e muitos colaboradores, entre eles autores, ilustradores e contadores de história que participam de workshops, visitas de autores e treinamento de professores em escolas públicas. Desde maio, o grupo se reúne por zoom uma vez por semana ou quinzena para trocar práticas, expandir a rede e discutir seus próximos passos. Em paralelo, os trios se reunem de acordo com suas disponibilidades e com as demandas do trabalho. O foco dos mediadores é garantir uma relação colaborativa e horizontal entre os voluntários de escolas públicas e particulares. Acreditamos que só assim podemos construir uma relação de pertencimento e parceria que seja duradoura e beneficie as duas escolas.

Livros usados doados como presentes afetivos com mensagens de seus leitores anteriores

A experiência de reunir comunidades de escolas públicas e privadas para trabalhar em prol de um objetivo comum tem impactado participantes e instituições de uma forma inesperada. Ao ouvir uns aos outros e conhecer o trabalho uns dos outros, os educadores das escolas públicas conseguiram ganhar o respeito de educadores e famílias das escolas privadas de elite. Além disso, profissionais dedicados da rede pública passaram a reconhecer o incrível valor de seu próprio trabalho.

O Leve História trouxe à tona a urgência de uma mudança na cultura das instituições de ensino. Escolas particulares e públicas não podem continuar em suas bolhas, como entidades isoladas. Não podemos aceitar que aqueles que têm condições de pagar tenham acesso a educação de qualidade e literatura de sobra, enquanto quem não tem recursos – e conta com o ensino público como sua única chance para um futuro melhor – precisa se conformar com professores não treinados e com pouco acesso a livros e mídias digitais. A educação precisa evoluir para se adaptar a uma nova realidade, ao mesmo tempo em que os professores precisam ser trazidos para essa conversa.

A colaboração e parceria entre professores, alunos, governos, pesquisadores e a sociedade civil é essencial para a construção de um novo contrato social para a educação (UNESCO, 2021). A escola pode e precisa ser um vetor de mudança, mas para que isso aconteça os professores precisam trabalhar juntos e construir comunidades de aprendizagem que possibilitem a troca de conhecimento e a colaboração. A escola pode ser decisiva na construção de uma sociedade mais equitativa, mas os valores da educação do século XXI defendidos para o ensino infantil devem ser praticados também entre os educadores. Trabalho em equipe, projetos colaborativos e experiências significativas precisam fazer parte de uma cultura de comunidade para todos: professores, famílias e alunos.

A colaboração nem sempre é fácil e a experiência com o Leve História mostra que algumas comunidades não estão prontas para borrar as fronteiras entre particular e público. Algumas escolas particulares resistem à ideia de que seus alunos se reúnam com alunos de escolas públicas para eventos presenciais ou online porque têm medo que as famílias não aprovem a iniciativa. Mas o Leve História nos mostrou que as experiências mais transformadoras foram exatamente aquelas que reuniram alunos, professores e pais de escolas particulares e públicas. Elas construíram conexões mais fortes e com maior chance de criar vínculos duradouros que sejam independentes da atuação do Leve História.

É engano achar que somente escolas da periferia podem se beneficiar com a parceria. Algumas instituições da rede particular, localizadas em regiões nobres da cidade de São Paulo, especialmente aquelas em que os alunos participaram ativamente, descreveram o desejo das famílias de se engajar em iniciativas socialmente relevantes como o Leve História. Para essas escolas o movimento foi uma oportunidade de discutir disparidades sociais de uma forma mais significativa. Alunos de escolas de elite que tiveram a oportunidade de visitar as escolas de regiões carentes e conhecer as crianças que receberam seus livros ficaram surpresos com o interesse desses alunos por cultura e literatura. Instituições públicas, por outro lado, se surpreenderam quando representantes das melhores escolas de São Paulo, ficaram encantados com a sua resiliência e engajamento ao construir soluções criativas para problemas comuns. A troca de conhecimento entre os dois setores reforça a importância dos movimentos sociais para estabelecer mudanças de cultura em suas comunidades.

Reunião semanal do Leve História em 14 de maio, reunindo autores, especialistas de leitura, pais e professores de escolas públicas e particulares representados.

Eventos, comunicação, seleção de livros e transporte dos livros foram feitos por voluntários que acreditaram no poder do trabalho colaborativo para lutar pelo direito à literatura para todos. Nós encontramos esperança ao ficarmos juntos; construimos uma comunidade ouvindo uns aos outros. Através do movimento, muitos educadores de escolas particulares foram a bibliotecas de comunidades desassistidas pela primeira vez e professores de escolas públicas tiveram a chance de conhecer instituições particulares de primeira linha. É difícil mensurar o impacto dessa experiência em cada voluntário, mas os relatos falam do Leve História como uma experiência transformadora.

Depois de tudo o que o Leve Historia conquistou, parece claro que o maior impacto nas escolas foi quando o movimento estimulou uma mudança na cultura daquela instituição. Escolas particulares de alto poder aquisitivo se deram conta de que doar agasalhos e livros antigos não é suficiente e passaram a se perceber como co-responsáveis pelas mudanças necessárias para reverter a desigualdade social. Escolas públicas ganharam voz para atrair atenção social e respeito. Mas nenhum dos dois setores vai poder mudar a dura realidade da educação brasileira se continuarem em suas bolhas. A experiência do movimento mostrou o quão fortalecido e transformador o trabalho colaborativo pode ser.

O Leve Historia tem feito muito mais do que simplesmente distribuir livros. Compartilhamos valores e encontramos um terreno comum entre as escolas públicas e particulares para atuar pelo direito à literatura para todos. Doamos livros como presentes, não como sobras, e trocamos cartas pessoais manuscritas entre alunos de diferentes origens. Nosso trabalho tem ido muito além da sala de aula, superando barreiras sócio-econômicas no combate à desigualdade. O Leve História acredita na responsabilidade social coletiva e na atuação dos jovens para a construção de um futuro mais justo através da educação. O movimento vem mostrando que valores essenciais como cooperação e solidariedade, defendidos pelo relatório Futures of Education, da UNESCO, não são apenas palavras bonitas. Mais do que isso, são uma realidade transformadora quando as escolas conseguem trabalhar juntas para construir um futuro melhor para todos.

More Student Views

Afro-Latinidad as Self-Reconciliation

Afro-Latinidad as Self-Reconciliation

English + Español
For most Black people, February 27th is a fairly insignificant date, simply marking the second-to-last day of Black History Month here in the United States. For me, however, it wholly defines…

Print Friendly, PDF & Email